Amanhã na secção de Livros da revista ‘E’

– Dossier Herberto Helder, com textos de Clara Ferreira Alves, José Tolentino Mendonça, Ana Cristina Leonardo, Luís Pedro Nunes,
A Nossa Casa é Onde Está o Coração, de Toni Morrison (Presença), por José Mário Silva
A Ética das Finanças, de Robert J. Shiller (Bertrand), por Luís M. Faria
A Economia do Futuro, coordenação de João Ferrão (Fundação Francisco Manuel dos Santos), por Virgílio Azevedo
Não Posso nem Quero, de Lydia Davis (Relógio d’Água), por Pedro Mexia

Amanhã na secção de Livros da revista ‘E’

– Entrevista com Ian McEwan, autor de A Balada de Adam Henry (Gradiva), e crítica ao livro, por José Mário Silva
Cavaleiro Andante, de Almeida Faria (Assírio & Alvim), por Pedro Mexia
A Felicidade dos Tristes, de Luc Dietrich (Sistema Solar), por Carlos Bessa
Comédia em Modo Menor, de Hans Keilson (Sextante), por Luís M. Faria
Um Estranho Lugar para Morrer, de Derek B. Miller (ASA), por José Guardado Moreira

Amanhã na secção de Livros da revista ‘E’

– Entrevista com Hilary Mantel sobre o livro O Assassinato de Margaret Thatcher (Jacarandá) e crítica ao livro, por José Mário Silva
A Nascente, de Manuel Clemente (Edições Paulinas), por Rosa Pedroso Lima
Ordem Política e Decadência Política, de Francis Fukuyama (Dom Quixote), por Luís M. Faria
Cachalote, de Daniel Galera e Rafael Coutinho (Polvo), por José Mário Silva
Presente e Futuro: A Urgência da Literatura, de Vários Autores (CCB), por Alexandra Carita
Aleluia!, de Bruno Vieira Amaral (Fundação Francisco Manuel dos Santos), por Pedro Mexia

Amanhã na secção de Livros da revista ‘E’

– Conversa com Carlos Castán, autor de Má Luz (Teorema), por José Mário Silva
Manifesto em Defesa de uma Morte Livre, de Miguel Real (Parsifal), por Manuela Goucha Soares
A História do Corpo Humano – Evolução, Saúde e Doença, de Daniel E. Lieberman (Temas e Debates), por Luís M. Faria
Thérèse Desqueyroux, de François Mauriac (Cavalo de Ferro), por Pedro Mexia
Um Pouco Acima do Lugar Onde Melhor se Escuta o Coração, de Andreia C. Faria (Artefacto), por José Mário Silva

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges