Amanhã na secção de Livros da revista ‘E’

Descobri que Estava Morto, de João Paulo Cuenca (Caminho), por José Mário Silva
A Idade Média – vol. 4, coordenação de Umberto Eco (Dom Quixote), por Luís M. Faria
O Livro Aberto: Leituras da Bíblia, de Frederico Lourenço (Cotovia), por Pedro Mexia
Portugal By Design, de Jorge Silva (Ano do Design Português), por Alexandra Carita

Amanhã na secção de Livros da revista ‘E’

– Entrevista com Salman Rushdie, por Luís M. Faria
– Prémio Saramago para Bruno Vieira Amaral, por José Mário Silva
Obras Escolhidas, vol. 2, de Oscar Wilde (Relógio d’Água), por Luís M. Faria
Levantai Alto o Pau de Fileira, seguido de Seymour – uma introdução, de J. D. Salinger (Quetzal), por Pedro Mexia
Os Assaltos à Padaria, de Haruki Murakami (Casa das Letras), por José Mário Silva

Amanhã na secção de Livros da revista ‘E’

O Fim do Homem Soviético, de Svetlana Aleksievitch (Porto Editora), por José Mário Silva
Arranha-Céus, de J. G. Ballard (Elsinore), por Pedro Mexia
Sr. Sherlock Holmes, de Mitch Cullin (Top Seller), por José Guardado Moreira
A Busca da Democracia, coordenação de António Costa Pinto (Objectiva), por Manuela Goucha Soares
Em Movimento, de Oliver Sacks (Relógio d’Água), por Luís M. Faria

Amanhã na secção de Livros da revista ‘E’

– Entrevista com Javier Cercas, autor de O Impostor (Assírio & Alvim), por Luciana Leiderfarb
Portugal Afrique Pacifique, de René Pélissier (Éditions Pélissier), por José Pedro Castanheira
Os Sete Loucos, de Roberto Arlt (Cavalo de Ferro), por Pedro Mexia
Os Últimos Marinheiros, de Filipa Melo (Fundação Francisco Manuel dos Santos), por José Mário Silva
Identificar Almada, Maria José Almada Negreiros (Assírio & Alvim), por Pedro Santos Guerreiro

E o vencedor do Prémio Nobel 2015 é…

Svetlana Aleksievitch, escritora bielorrussa.

O meu prognóstico para o Nobel de 2015

Não é bem um prognóstico, nem uma aposta. É mais um desejo: a italiana Elena Ferrante, que ninguém sabe ao certo quem é, por nunca ter dado a cara e existir só através dos seus extraordinários livros. Duvido muito que a Academia lhe atribua o Nobel. E tenho quase a certeza de que ela não o aceitaria (se aceitasse, seria um acontecimento, o improbabilíssimo milagre da sua materialização pública). Ainda assim, estaríamos perante um Nobel forte, arrojado, mais do que merecido.

Amanhã na secção de Livros da revista ‘E’

– Conversa com Afonso Cruz, autor de Flores (Companhia das Letras), por José Mário Silva
Lila, de Marilynne Robinson (Presença), por José Mário Silva
Terra Nullius – Viagem aos Antípodas, de Sven Lindqvist (Cavalo de Ferro), por Ana Cristina Leonardo
Bestiário Ilustríssimo #II/Bala, de Rui Eduardo Paes (Chili com Carne/Thisco), por João Santos
Rilke Shake, de Angélica Freitas (Douda Correria), por Pedro Mexia

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges