Encontro de ‘bibliotecários’

Um dos melhores momentos da manhã de sábado aconteceu quando conheci, em pessoa, a Idónea Bibliotecária, nem mais nem menos do que a muito activa e empenhadíssima mentora do projecto Déjà Lu. Quem não conheça esta iniciativa, faça o favor de visitar o respectivo blogue. No fundo, o que a Déjà Lu faz são leilões online de livros já lidos, revertendo o valor das vendas para a APPT21 (Associação Portuguesa de Portadores de Trissomia 21) e para o Centro de Desenvolvimento Infantil DIFERENÇAS.
Os livros a leiloar podem ser entregues em vários pontos de recolha (Lisboa, Cascais, Sintra, Setúbal, Porto e Vila Real), cujas moradas e contactos telefónicos podem ser consultados aqui.

PS – Não quero trocar galhardetes, mas se há alguém que merece o epíteto «simpatia em pessoa» é justamente a Idónea Bibliotecária, mais a sua não menos Idónea amiga e auxiliar.

GOLBB, um balanço

Se a primeira GOLBB já tinha corrido muito bem, a segunda foi ainda melhor. Desta vez, os livros pousados na pérgula duraram cerca de meia hora, em vez de dez minutos, e não houve os abusos do ano passado (algumas pessoas com sacos cheios e outras de mãos a abanar). De uma forma geral, creio que se cumpriu a regra de cada pessoa levar 5/6 livros. A escolha fez-se sem confusões nem atropelos, antes com alegria e civismo. O que me deixa particularmente feliz. Houve muitos leitores a agradecerem-me no fim, mas eu é que agradeço às muitas dezenas de pessoas o interesse e disponibilidade para receberem livros que já não cabem na minha biblioteca mas de que gosto muito (li boa parte deles e há uma certa melancolia nisto de os ver partir).
Durante uma hora e meia, no sábado, o miradouro do Monte Agudo foi um lugar de partilha entre pessoas que amam os livros (além dos livros que ofereci, muitos outros volumes foram trazidos e trocados pelos participantes). Ter contribuído para um encontro desta natureza, diante de uma vista belíssima da cidade de Lisboa, deixa-me muito satisfeito e com uma pontinha de orgulho. Se um dia criei este blogue, não foi só para partilhar notícias e opiniões sobre a vida literária, sobre escritores e suas obras, foi também para integrar uma comunidade de leitores que se cruza nos labirintos da internet. Que uma parte dessa comunidade se tenha materializado no miradouro é a prova de que o esforço exigido para a manutenção deste espaço continua a valer a pena.
Queria ainda agradecer aos amigos (Ricardo e Paulo) que me ajudaram no transporte da livralhada, entre um terceiro andar sem elevador e o porta-bagabens do meu Skoda Fabia, ao Alexandre Esgaio (pelo cartaz) e aos amigos do café do miradouro, que não se importaram de assistir à matutina invasão da sua maravilhosa esplanada.
A quem não pôde vir, resta um consolo: para o ano, talvez mais cedo (início de Setembro), cá estarei para a terceira edição.

Primeiras imagens

Manhã de livros no miradouro do Monte Agudo:


Clique para aumentar

Pó dos livros

A dada altura, ainda pensei: vou buscar um pano e tiro algum do pó acumulado nos livros ao longo dos anos. Depois percebi que a tarefa seria hercúlea e suficientemente hercúlea já ela era (se lhe juntarmos as muitas «escolhas de Sofia»: este fica ou vai?). Por isso deixei-os ir assim mesmo, com pó na esquina das folhas, memória do sítio de onde vieram, mesmo que depois fiquem impecavelmente limpos nas novas estantes que os esperam.

Torres de Papel (6)

E pronto, já está. Cerca de 600 livros empilhados, aguardando novos donos. Amanhã, estarão todos no miradouro do Monte Agudo, a partir das 11h00, disponíveis para quem os quiser levar (relembro: a cada pessoa, cinco ou seis volumes; assim, ninguém sairá de mãos a abanar).


Clique para aumentar

Eis mais umas dezenas de títulos a somar às outras listas:

A Fábula, de William Faulkner (Dom Quixote)
Cadáver Precisa-se, de Milton Fornaro (Quetzal)
A Casa da Floresta, de Marion Zimmer Bradley (Difel)
Taipi, de Herman Melville (Teorema)
O Meu Livro de Música, de António Victorino d’Almeida (Texto)
No Teu Deserto, de Miguel Sousa Tavares (Oficina do Livro)
Vaticano S. A., de Gianluigi Nuzzi (Presença)
O Túnel, de Ernesto Sabato (Relógio d’Água)
Coração das Trevas, de Joseph Conrad (Vega)
O Passado, de Alan Pauls (Dom Quixote)
A Casa da Praia do Açúcar, de Helene Cooper (QuidNovi)
Chocolate, de vários autores (Casa das Letras)
Letra Só, de Caetano Veloso (Quasi)
White Jazz – Noites Brancas, de James Ellroy (Presença)
A Viagem dos Sete Demónios, de Manuel Mujica Lainez (Vega)
Corpos Divinos, de Guillermo Cabrera Infante (Quetzal)
Confissão, de Lev Tolstói (Alfabeto)
A Rainha Sol, de Christian Jacq (Bertrand)
Infidelidades, de Woody Allen (Relógio d’Água)
Perseguição e Cerco a Juvêncio Gutierrez, de Tabajara Ruas (AMBAR)
A Escrita Dissidente – autobiografia de Ruben A., de Dália Dias (Assírio & Alvim)
Canções, de António Botto (Presença)
O Mistério de Listerdale, de Agatha Christie (ASA)
Pablo La Noche, de Marcello Mathias (Quetzal)
As Esquinas do Tempo, de Rosa Lobato de Faria (Porto Editora)
Propaganda e Opinião Pública, de Noam Chomsky (Campo das Letras)
O Fiel Jardineiro, de John LeCarré (Dom Quixote)
Músicas da Consciência, de Luís Carmelo (Europa-América)
Quando Lisboa Tremeu, de Domingos Amaral (Casa das Letras)
Como Construir Uma Máquina do Tempo, de Paul Davis (Gradiva)
O Lugar da Utopia, de José Manuel Heleno (Fim de Século)
True Grit – Indomável, de Charles Portis (Presença)
Arabescos, de Anton Schammas (Dom Quixote)
Suplemento à Viagem de Bougainville, de Denis Diderot (Fenda)
Que o Diabo Leve a Mosca Azul, de John Franklin Bardin (Relógio d’Água)
Uma Data em Cada Mão – Livro de Horas I, de Maria Gabriela Llansol (Assírio & Alvim)
Morreste-me, de José Luís Peixoto (Quetzal)
Adriana Mater, de Amin Maalouf (Difel)
A Ilha da Páscoa, de Pierre Loti (Teorema)
Orgias, de Luís Fernando Veríssimo (Dom Quixote)
Sudoku 1, de Michael Mepham (Gradiva)
O Barulho das Chaves, de Philippe Claudel (ASA)
A Magia Sexual, de Alexandrian (Antígona)
Terra Morta, de Castro Soromenho (Campo das Letras)
Antologia Poética, de Miguel de Unamuno (Assírio & Alvim)
A Raiva e o Orgulho, de Oriana Fallaci (Difel)
Paraíso Travel, de Jorge Franco Ramos (Temas e Debates)
As Asas do Medo, de Paco López Diago (Alfabeto)
O Futuro Radioso, de Alexandre Zinoviev (Dom Quixote)
Homem em Armas, de Horacio Castellano Moya (Teorema)
A Simbólica do Espaço em ‘Senhor dos Anéis’, de Maria do Rosário Monteiro (Livros de Areia)
Infanta, de Bodo Kirchhoff (ASA)
A Cristandade ou A Europa, de Novalis (Antígona)
Afogados, de Carlos Eugenio Lópes (Estrofes & Versos)
A eternidade não é de mais, de François Cheng (Bizâncio)
Evocação de Sophia, de Alberto Vaz da Silva (Assírio & Alvim)
História do Século XX – 3.º volume, de Bernard Droz e Anthony Rowley (Dom Quixote)
O Rapaz que Chutava Porcos, de Tom Baker (Teorema)
Beatriz e Virgílio, de Yann Martel (Presença)
De Cada Amor Tu Herdarás Só o Cinismo, de Arthur Dapieve (Quetzal)
O Diário de Rutka, de Rutka Laskier (Sextante)
Poemas de Deus e do Diabo, de José Régio (Quasi)
Criaturas do Ar, de Fernando Savater (AMBAR)
As Memórias de um Espírito, de Germando Almeida (Caminho)
O Visível e o Invisível, de Lucia Etxebarría (Editorial Notícias)
Tu, Meu, de Erri de Luca (Bertrand)
Espera de Deus, de Simone Weill (Assírio & Alvim)
Pedra-de-paciência, de Atiq Rahimi (Teorema)
O Regresso do Soldado, de Rebecca West (Relógio d’Água)
Entre os Dois Palácios, de Naguib Mahfouz (Civilização)
Declaração Universal dos Direitos do Ser Humano, de Raoul Vaneigem (Antígona)
Que Força é Essa, de Madalena Barbosa (Sextante)
Diário de Blindness, de Fernando Meirelles (Quasi)
A Oficina do Tempo, de Álvaro Uribe (Quetzal)
Os Guardiões da Verdade, de Michael Collins (Gradiva)
A Terceira Virgem, de Fred Vargas (Porto Editora)
Pensageiro Frequente, de Mia Couto (Caminho)
Espártaco – A Revolta dos Escravos, de Max Gallo (ASA)
O Escritor, de Yasmina Khadra (Bizâncio)
Três Mulheres Poderosas, de Marie Ndiaye (Teorema)
Estilhaços, de Adolfo Luxúria Canibal (Quasi)
A Minha Vida é uma Arma, de Christoph Reuter (Antígona)
As Suspeitas do Sr. Whicher, de Kate Summerscale (Bertrand)
Ensaios e Discursos, de Miguel Torga (Dom Quixote)
Globalização, de Mário Murteira (Quimera)
€14,99 – A Outra Face da Moeda, de Frédéric Beigbeder (Presença)
Os Imperdoáveis, de Cristina Campo (Assírio & Alvim)
Elza, a Garota, de Sérgio Rodrigues (Quetzal)
O Amor de Longe, de Amin Maalouf (Difel)
Pequenas Obras Morais, de Giacomo Leopardi (Relógio d’Água)
Crítica da Razão Criminosa, de Michael Gregorio (Dom Quixote)
Algumas Letras, de Adriana Calcanhotto (Quasi)
Histórias Devidas, de vários autores (ASA)
A Magia Sexual, de Alexandrian (Antígona)
Escorial, de Miklós Szentkuthy (Teorema)
O Meu Anjo Catarina, de Alexandre Pinheiro Torres (Caminho)
Ó, de Nuno Ramos (Cotovia)
Contos de Morte, de Pepetela (Edições Nelson de Matos)
O Arco de Nemrod, de Teresa Salema (Sextante)
As Duas Sombras, de Paulo Ramalho (íman)
Histeria, de Julia Borossa (Almedina)
Salazar e os Milionários, de Pedro Jorge de Castro (Quetzal)
Geografia do Caos, de Duarte Belo/Nuno Júdice (Assírio & Alvim)
Ei Nostradamus!, de Douglas Coupland (Teorema)
Bestas de Nenhum Lugar, de Uzodinma Iweala (Antígona)
Mr. Pip, de Lloyd Jones (Estampa)
A Vida Sexual de Fernando Pessoa, de Salomó Dori (Palimpsesto)
O Outro, de Ryszard Kapuscinski (Campo das Letras)
As Novas Confissões, de William Boyd (Dom Quixote)
Os Peixes da Amargura, de Fernando Aramburu (Minotauro)
A Noiva Indiana, de Karin Fossum (Oceanos)
Plexus, de Henry Miller (ASA)
O Grande Capital, de John Dos Passos (Presença)
Vida Dupla, de Pierre Assouline (Entre Letras)
Divisadero, de Michael Ondaatje (Porto Editora)
O Fato Cinzento, de Andrea Camilleri (Bertrand)
Falar é Fácil, de Zé Diogo Quintela (Tinta da China)
Wikinomics, de Don Tapscott (QuidNovi)
História Elementar das Drogas, de Antonio Escohotado (Antígona)
Enquanto Vivemos, de Maruja Torres (Dom Quixote)
O Melhor dos Meus Erros, de Clara Pinto Correia (Oficina do Livro)
Sentimental, de Abel Neves (ASA)
Regresso à Ilha, de Romana Petri (Cavalo de Ferro)
Digam-me como é uma árvore, de Marcos Ana (Guerra & Paz)
Gertrud, de Hermann Hesse (Difel)
Knulp, de Hermann Hesse (Difel)
Elogio da Velhice, de Hermann Hesse (Difel)
Deambulações Fantásticas, de Hermann Hesse (Difel)
Testemunhas da Guerra, de Nicholas Stargardt (Tinta da China)
Crónicas de uma Pequena Ilha, de Bill Bryson (11/17)
O Bandido Duplamente Armado, de Soledad Puértolas (Bertrand)
A Arte da Alegria, de Goliarda Sapienza (Dom Quixote)
Gasolina, de Quim Monzó (Teorema)
Diplomacia Doce e Amarga, de José Calvet de Magalhães (Bizâncio)
A Palavra Manipulada, de Philippe Breton (Caminho)
O Modelo, de Lars Saabye Christensen (Cavalo de Ferro)
América a Bem ou a Mal, de Anatol Lieven (Tinta da China)
A Melancolia do Geógrafo, de Brigitte Paulino-Neto (ASA)
Oriente, Ocidente, de Salman Rushdie (Dom Quixote)

Previsão meteorológica

Amanhã, para a hora de início da segunda edição da GOLBB, estão previstas as seguintes condições climatéricas em Lisboa:

– céu limpo
– Temperatura: 20ºC
– Humidade: 66%
– Vento: NNW, a cinco kms/h
– Probabilidade de chuva: 0%

Esperemos que as previsões se confirmem.

O caminho para o miradouro

Como o miradouro do Monte Agudo não mudou de sítio desde a primeira Grande Oferta de Livros do Bibliotecário de Babel, podem usar o mesmo road book para chegar, amanhã de manhã, à segunda edição (a partir das 11h00).

Torres de papel (5)

A Grande Oferta de Livros do Bibliotecário de Babel é já no sábado de manhã. As torres de papel são sete. E ainda vão crescer em altura.


Clique para aumentar

Eis mais alguns títulos a juntar à lista:

O Regicídio, de Maria Alice Samara e Rui Tavares (Tinta da China)
Então Chegámos ao Fim, de Joshua Ferris (Casa das Letras)
O Olho de Vidro, de Camilo Castelo Branco (Esfera do Caos)
Deste Lado da Luz, de Colum McCann (Civilização)
Portugal Medievo – vol. II, de António Borges Coelho (Caminho)
Perdido de Volta, de Miguel Gullander (Dom Quixote)
Foi Assim que Aconteceu, de Teresa Font (Presença)
O Livro dos Snobs, de W. H. Thackeray (Guerra & Paz)
Um Escritor Confessa-se, de Aquilino Ribeiro (Bertrand)
O Abominável Mundo Louco dos Jovens Cibernautas, de Renato Montalvo e Conceição Monteiro (Gradiva)
Final de Romance na Patagónia, de Mempo Giardinelli (Quetzal)
Beatles, de Lars Saabye Christensen (Cavalo de Ferro)
Mozart na Selva, de Blair Tindall (Guerra & Paz)
O verdadeiro ator, de Jacinto Lucas Pires (Cotovia)
Vir ao Mundo, de Margaret Mazzantini (Bertrand)
Marina, de Carlos Ruiz Zafón (Planeta)
O Rastro do Jaguar, de Murilo Carvalho (LeYa)
Diário de Paris, de Marcello Duarte Mathias (Oceanos)
Misterioso, de Arne Dahl (Presença)
O Estado Mais Quente, de Ethan Hawke (Difel)
Vejo uma Voz, de Oliver Sacks (Relógio d’Água)
A Casa do Sono, de Jonathan Coe (ASA)
No Buraco, de Tony Belloto (Quetzal)
A Noiva Indiana, de Karin Fossum (Oceanos)
Uma Palavra Tua, de Elvira Lindo (Presença)
O Alquimista, de Paulo Coelho (Pergaminho)
Atravessando o Deserto, de Mário Ventura (Editorial Notícias)
Mercado de Ilusões, de Felipe Benítez Reyes (Sextante)
Tens Visto o Antão, de António Manuel Couto Viana (Quetzal)
Passageiros da Neblina, de Montserrat Rico Góngora (Planeta)
A Casa dos Sete Pecados, de Mari Pau Domínguez (Presença)
O quase fim do mundo, de Pepetela (Dom Quixote)
História de Portugal – vol. 6, de José Mattoso (Estampa)
A Vida e as Opiniões do Cão Maf e da sua Amiga Marilyn Monroe, de Andrew O’Hagan (Bertrand)
Cavalheiros da Estrada, de Michael Chabon (Casa das Letras)
Buridan, de José-Augusto França (Quetzal)
A Contadora de Filmes, de Hernan Rivera Letelier (Presença)
O Livro dos Saberes, org. de Constantin von Barloewen (Edições 70)
A Empresa das Índias, de Erik Orsenna (Teorema)
O Meu Nome é Jamaica, de José Manuel Fajardo (Quetzal)
A Terceira Mãe, de Julieta Monginho (Campo das Letras)
O Seu Lado Clandestino, de Peter Carey (Dom Quixote)
Niketche, de Paulina Chiziane (Caminho)
João Sem Terra, de José Augusto França (Presença)
O Homem de Plasticina, de Manuel Manzano (Ulisseia)
A Magia dos Números, de Yoko Ogawa (Quetzal)
O Corpo Não Mente, de Joe Navarro (Estrela Polar)
A Talentosa Flavia de Luce, de Alan Bradley (Planeta)
1910 – uma antologia literária (Dom Quixote)
O Fim de um Mundo, Loretta Napoleoni (Presença)

O cenário da GOLBB

No último sábado, ao fim da tarde, o miradouro do Monte Agudo estava assim:

No próximo sábado, a partir das onze da manhã, em vez de músicos e música, haverá livros e bibliófilos. Apareçam.

Torres de papel (4)

Já só falta uma semana para a Grande Oferta de Livros do Bibliotecário de Babel. E ainda há muitos volumes para tirar das estantes.


Clique para aumentar

Eis mais alguns dos títulos a oferecer:

Efeito Borboleta e outras histórias, de José Mário Silva (ARdoTEmpo, edição brasileira)
O Escriturário Indiano, de David Leavitt (Teorema)
A Feiticeira de Florença, de Salman Rushdie (Dom Quixote)
Primeira República – Do Sonho à Realidade, de António José Telo (Presença)
Nós, os Portugueses, de Maria Filomena Mónica (Quasi)
Pequena História das Cruzadas, de Christopher Tyerman (Tinta da China)
Teatro, de Miguel Torga (Dom Quixote)
Hot Kid, de Elmore Leonard (Teorema)
O Símbolo Perdido, de Dan Brown (Bertrand)
Amanhecer, de Stephenie Meyer (Gailivro)
O Aleph, de Paulo Coelho (Pergaminho)
O Grande Fedor, de Clare Clark (Paralelo 40º)
Sorte do Diabo, de Ian Kershaw (Livros d’Hoje)
Argento-Vivo, de Neal Stephenson (Tinta da China)
Quartos Imperiais, de Bret Easton Ellis (Teorema)
Os Contos de Maldoror, de Lautréamont (Quasi)
Filhos e Amantes, de D.H. Lawrence (Dom Quixote)
A Exploração do Sara, de Jean-Marc Durou (Europa-América)
Porno, de Irvine Welsh (Quetzal)
Consolo e Alegria, de Jim Grimsley (Teorema)
Em Busca do Grande Peixe, de David Lynch (Estrela Polar)
Os Desastres de Sofia, de Condessa de Ségur (Oficina do Livro)
Filosofia da Comunicação, de Jean-Marc Ferry (Fenda)
Diários Secretos de Eva Braun, de Simone Bernard-Dupré (Arcádia)
Churchill, de John Keegan (Tinta da China)
Quem Mexeu no Meu Queijo, de Spencer Johnson (GestãoPlus)
O Futuro do Drama, de Jean-Pierre Sarrazac (Campo das Letras)
De Teatro e outras escritas, de Osório Mateus (Quimera)
Está Tudo na Cabeça, de Alastair Campbell (Bizâncio)
As Bicicletas em Setembro, de Baptista-Bastos (Oficina do Livro)
Os Dias e os Anos (1970-1993), de Marcello Duarte Mathias (Dom Quixote)
Fragmentos de uma Exposição, de Patrick Gale (Bertrand)
A Inquisição – O Reino do Medo, de Toby Green (Presença)
Os Cadernos de Platão, de Peter Ackroyd (Teorema)
A Cidade do Medo, de Pedro Garcia Rosado (ASA)
Camões – Este Meu Duro Génio de Vinganças, de Maria Vitalina Leal de Matos (Arcádia)
O Capitão das Sardinhas, de Manuel Manzano (Ulisseia)
Hidrografia Doméstica, de Gonzalo Castro (Quetzal)
Comer Animais, de Jonathan Safran Foer (Bertrand)
O Retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde (Dom Quixote)

Torres de papel (3)

Crescem as pilhas de livros, em número e altura, a semana e meia da GOLBB.


Clique para aumentar

Eis mais alguns dos títulos dos livros a oferecer:

Globalização, Democracia e Terrorismo, de Eric Hobsbawm (Presença)
O Fantasma de Hitler, de Norman Mailer (D. Quixote)
Ácido Sulfúrico, de Amélie Nothomb (ASA)
Uma Música Constante, de Vikram Seth (Círculo de Leitores)
Contos Policiais, de Edgar Allan Paul (Guimarães)
O Engenho, de Reinaldo Arenas (Antígona)
A Estátua da Liberdade, de Michel Rio (Teorema)
O Sol de Breda, de Arturo Pérez-Reverte (ASA)
Um Mundo Melhor, de Alberto Vásquez-Figueroa (Difel)
Uma esposa para o sahib, de Khushwant Singh (Cavalo de Ferro)
Os ratoneiros – uma reminiscência, de William Faulkner (D. Quixote)
Attachment, de Isabel Fonseca (Teorema)
Pau-Brasil, de Jean-Christophe Rufin (ASA)
Império, de Gore Vidal (Público)
Conversas com Carl Sagan, de vários autores (Quasi)
Pentateuco, de Ilda David’ (Assírio & Alvim)
O Outono em Pequim, de Boris Vian (D. Quixote)
A Margem Africana, de Rodrigo Rey Rosa (Difel)
O Saque, de Joe Orton (Campo das Letras)
You – A Sua Dieta, de Michael F. Roizen e Mehmet C. Oz (Lua de Papel)
A Neblina do Passado, de Leonardo Padura (ASA)
Hellboy: Terras Estranhas, de Mike Mignola (G. Floy Studio)
Livro Audacioso para Raparigas, de Miriam Peskowitz e Andrea J. Buchanan (Guerra e Paz)
Um Apartamento em Atenas, de Glenway Wescott (Relógio d’Água)
Infância – quando eles eram pequeninos, de Sarah Adamopoulos (Edições Nelson de Matos)
Um Lugar Sem Nome, de Amy Tan (Casa das Letras)
Está Tudo na Cabeça, de Alastair Campbell (Bizâncio)
O Vale das Bonecas, de Jacqueline Susann (Contraponto)

Torres de papel (2)

As pilhas de livros continuam a erguer-se, à espera do dia em que abandonarão a casa.


Clique para aumentar

Eis mais alguns dos títulos dos livros a oferecer:

Para Além da Crença, de V.S. Naipaul (Dom Quixote)
Retratos de Família, de Kate Atkinson (Planeta)
Fumo Sagrado, de Guillermo Cabrera Infante (Quetzal)
Uma Cana de Pesca para o Meu Avô, de Gao Xingjian (Dom Quixote)
O Dom de Gabriel, de Hanif Kureishi (Teorema)
Lendas, de Gustavo Adolfo Bécquer (Assírio & Alvim)
A Cidade dos Deuses Selvagens, de Isabel Allende (Difel)
O Reino do Dragão de Ouro, de Isabel Allende (Difel)
Enciclopédia da Estória Universal, de Afonso Cruz (Quetzal)
Martin Bauman; ou Uma Presa Segura, de David Leavitt (Teorema)
Nevava, de Patrick Rimbaud (Bizâncio)
O Regresso do Hooligan, de Norman Manea (ASA)
A Mulher de Pedra, de Tariq Ali (Europa-América)
Kockroach, de Tyler Knox (Cavalo de Ferro)
jPod, de Douglas Coupland (Teorema)
Crime, de Irvine Welsh (Quetzal)
O Mundo de Ontem, de Stefan Zweig (Assírio & Alvim)
Crónicas Abissínias, de Moses Isegawa (Círculo de Leitores)
Carlota Fainberg, de Antonio Muñoz Molina (Editorial Notícias)
A Terra dos Mezaràt, de Dario Fo (AMBAR)
Adeus, Tsugumi, de Banana Yoshimoto (Cavalo de Ferro)
Na Terra dos Cangurus, de Bill Bryson (Quetzal)
Dos Confins dos Bosques para a Civilização, de Charles Alexander Eastman (Antígona)
Hooking Up, de Tom Wolfe (Dom Quixote)

A GOLBB no ‘Espalha-Factos’

Espalha-Factos: Porquê uma segunda edição da Grande Oferta de Livros Bibliotecário de Babel?
José Mário Silva: Por duas razões. Primeiro, a edição do ano passado correu muito bem e eu tinha deixado a promessa de repetir este ano, de preferência ainda com mais livros, mais participantes e talvez até trocas entre os leitores que apareçam no miradouro. Segundo, o motivo inicial (excesso de livros nas minhas estantes) permanece, pelo que se impunha outra “colheita”.

E-F: A sua casa é demasiado pequena ou ser crítico literário obriga a um consumo exagerado de livros?
JMS: A casa não é pequena nem grande, é média, um T3. Acontece que eu recebo muitos, mas mesmo muitos livros ao longo do ano, fora os que vou comprando nas livrarias. A densidade populacional nas estantes vai aumentando exponencialmente, até que se impõem medidas drásticas de controlo demográfico da livralhada.

E-F: Considera esta iniciativa importante em altura da afamada “crise”?
JMS: Com o pretexto da crise, eu podia vender estes livros nos alfarrabistas, ou na Feira da Ladra, e ainda fazia bom dinheiro. Acontece que sou incapaz de tirar lucros de livros que, na sua grande maioria, me foram oferecidos pelas editoras. Por isso, ofereço-os a quem tenha espaço e vontade de os ler. É uma espécie de retribuição. E fico contente por saber que os livros vão ser bem estimados, por pessoas que gostam de ler. Se além do mais isto permitir que os participantes poupem alguma coisa, em tempo de crise, melhor ainda.

A entrevista completa pode ser lida aqui.

Torres de papel (1)

As pilhas de livros começam a erguer-se, preparando-se para o dia em que abandonarão a casa.


Clique para aumentar

Eis alguns dos títulos incluídos nesta leva:

O Anjo Literário, de Eduardo Halfon (Cavalo de Ferro)
Um Homem Muito Procurado, de John Le Carré (Dom Quixote)
O Gato e o Rato, de Günter Grass (Casa das Letras)
Cosmos, de Carl Sagan (Gradiva)
Slam, de Nick Hornby (Teorema)
Os Ficheiros Spellman, de Lisa Lutz (Presença)
A Aventura do Cabeleireiro de Senhoras, de Eduardo Mendoza (Editorial Notícias)
Rio das Flores, de Miguel Sousa Tavares (Oficina do Livro)
O Cairo Novo, de Naguib Mahfouz (Civilização)
Contra as Pátrias, de Fernando Savater (Fim de Século)
O Nosso Futuro Pós-Humano, de Francis Fukuyama (Quetzal)
Jesus de Nazaré, de Paul Verhoeven (Guerra e Paz)
Os Filhos de Estaline, de Owen Matthews (Dom Quixote)
O Fim do Alfabeto, de C.S. Richardson (Presença)
República das Mulheres, de Maria João Seixas (Bertrand)
Luka e o Fogo da Vida, de Salman Rushdie (Dom Quixote)
Pássaros na Boca, de Samanta Schweblin (Cavalo de Ferro)
Conta-me Histórias – Xutos & Pontapés, de Ana Cristina Ferrão (Assírio & Alvim)
Provérbios Portugueses, de Fernando Pessoa (Ática)
O Factor Humano, de Graham Greene (Casa das Letras)
Um Homem Sem Pátria, de Kurt Vonnegut (Tinta da China)
O Big Sur e as Laranjas de Jerónimo Bosch, de Henry Miller (Presença)

Grande Oferta de Livros do BdB – o cartaz

Partilhem, divulguem, etc.
E já agora visitem o blogue do Alexandre Esgaio, bom amigo e autor do cartaz, a quem agradeço a generosa dádiva.

Grande Oferta de Livros do BdB já tem data

É oficial: a GOLBB vai ser a 24 de Setembro, a partir das 11h00, no miradouro do Monte Agudo (Penha de França), em Lisboa.
Comecem a fazer espaço nas vossas estantes. Por exemplo, tirando de lá livros que podem levar para a troca.

Grande Oferta de Livros do BdB – segunda edição

A 21 de Agosto do ano passado, umas boas centenas de livros voaram em poucos minutos, assim que os coloquei na pérgula do miradouro do Monte Agudo, em Lisboa, para serem levados gratuitamente pelos leitores deste blogue (e por quem foi sabendo da iniciativa, através das redes sociais e de um artigo de jornal). A experiência, muito gratificante, está documentada aqui.
Agora, conforme prometido, já estou a pensar na segunda edição da Grande Oferta de Livros do Bibliotecário de Babel. Acontecerá no fim de Setembro (sábado, dia 24, 11h00) ou no princípio de Outubro (sábado, dia 1, mesma hora). E desafio todos os eventuais interessados a trazerem consigo livros que queiram oferecer, para juntar às pilhas que se formarem no miradouro.
Em breve darei mais novidades. Entretanto, trocas de ideias e sugestões, na caixa de comentários deste post, serão muito bem-vindas.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges