2666 (uma leitura colectiva)

Depois da febre Sebald, há uns anos, os EUA foram atingidos recentemente pela febre Bolaño. Críticos rendidos, êxito de vendas, presença nos principais tops dos melhores livros de 2008 – é o triunfo da Bolañomania.
O fenómeno espalha-se também, como é óbvio, na Internet (ou a partir dela). Agora, o autor de um blogue sobre Bolaño (e também, talvez não por acaso, de uma mailing list sobre David Foster Wallace) criou um grupo de discussão no Google sobre o escritor chileno. A partir de 12 de Janeiro, este grupo iniciará uma leitura colectiva de 2666, o magnum opus póstumo de Bolaño, ainda inédito em português.



Comentários

One Response to “2666 (uma leitura colectiva)”

  1. S. on Dezembro 29th, 2008 14:13

    Está prevista a publicação em Portugal do 2666? Ou nenhuma editora se atreve a arriscar?

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges