O som inesquecível da linguagem

Os Poemas
Autor: Gastão Cruz
Editora: Assírio & Alvim
N.º de páginas: 372
ISBN: 978-972-37-1432-6
Ano de publicação: 2009

Um dos aspectos essenciais do trabalho de Gastão Cruz radica num certo culto da exigência que se manifesta tanto na análise dos livros alheios (cf. A Vida da Poesia, deste ano) como no escrutínio a que submete os seus próprios poemas. Talvez por isso, o corpus da sua obra poética tem sido sujeito a sucessivas depurações, de cada vez que GC volta a reunir todos os seus livros num único volume.
Os Poemas é a quinta recolha deste tipo e inclui os quatro livros publicados desde 1999 (data da anterior colectânea): Crateras, Rua de Portugal, Repercussão e A Moeda do Tempo. Como Luis Maffei realça no seu deambulante prefácio, não faz muito sentido distinguir o actual Gastão do antigo, porque esse antigo Gastão também «é novo». Nas palavras do próprio, «muito mudou, mas nada essencial mudou».
Entre as linhas de força que atravessam os 17 livros, e o seu arco temporal de quase meio século (1960-2006), está a preocupação obsessiva com a linguagem. Não por acaso, Maffei inicia o seu périplo pelos vários núcleos temáticos «gastonianos» precisamente pela análise do poema inicial do livro Câmpanula (1978):

SOM DA LINGUAGEM

Por vezes reaprendo
o som inesquecível da linguagem
Há muito desligadas
formam frases instáveis as

palavras
Aos excessos do céu cede o silêncio
as constelações caem vitimadas
pelo eco da fala

Quanto a uma maior «inteligibilidade» das últimas obras, apontada por alguns críticos, Gastão responde muito ao seu jeito: «A poesia nunca é inteligível, ou é-o sempre. Inclino-me para a segunda hipótese.»

Avaliação: 8/10

[Texto publicado no suplemento Actual, do semanário Expresso]



Comentários

3 Responses to “O som inesquecível da linguagem”

  1. Autores e Livros on Dezembro 31st, 2009 5:15

    […] Foi lançada em Portugal, pela editora Assírio & Alvim, a obra reunida de Gastão Cruz, Os poemas. O impecável José Mário Silva já escreveu sobre o livro no blog O Bibliotecário de Babel. […]

  2. Listas | Bibliotecário de Babel on Janeiro 1st, 2010 21:12

    […] O som inesquecível da linguagem […]

  3. Gerana Damulakis on Janeiro 3rd, 2010 2:30

    Perfeito!

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges