Sexo, mentiras e niilismo

Quartos Imperiais
Autor: Bret Easton Ellis
Título original: Imperial Bedrooms
Tradução: José Luís Luna
Editora: Teorema
N.º de páginas: 177
ISBN: 978-972-695-929-8
Ano de publicação: 2010

Em 1985, Bret Easton Ellis irrompeu na cena literária norte-americana com Menos Que Zero, escrito no final da adolescência e publicado quando o autor não tinha mais do que 21 anos. Num estilo neutro e seco, Ellis fazia o retrato brutal de uma certa juventude: a dos miúdos ricos de Los Angeles. Narcisos sombrios e passivos, entregues ao hedonismo mais desbragado, eles simbolizavam ao mesmo tempo o apogeu da euforia consumista dos anos 80 (materializada no culto obsessivo das marcas) e a apoteose do tédio, que os conduzia à indiferença absoluta e à amoralidade mais crua — claramente nos antípodas do idealismo, por vezes ingénuo, das gerações anteriores.
Vinte e cinco anos, quatro romances e um livro de contos mais tarde, Ellis regressa, com Quartos Imperiais (editado em Junho nos EUA), a Los Angeles e às personagens de Menos Que Zero. Como estas não faziam planos para o futuro, insistindo em viver numa espécie de presente perpétuo e desligado da realidade, não espanta que trabalhem agora no mundo do cinema, ou gravitem em seu redor. Há produtores, cineastas, fura-vidas de Hollywood. Julian passou de prostituto a proxeneta de luxo. Rip Millar, o traficante de droga, subiu uns bons degraus na hierarquia do crime. E Clay, o narrador, tornou-se argumentista.
É nessa qualidade, aliás, que volta a L. A. para participar no casting de um filme que escreveu. Ao envolver-se com uma actriz candidata a um dos papéis, deixa-se arrastar para uma alucinante trama de perseguições, mentiras, paranóia, homicídios e traições. Mas se o enredo aparenta ser labiríntico e desconcertante, na linha dos romances negros de Raymond Chandler, logo abre brechas, mostrando que é só confuso, mal estruturado e francamente aborrecido. Em certas passagens, há ecos de Lunar Park (a materialidade do fantasma que assombra a casa) ou de Psicopata Americano (a violência extrema das cenas de tortura, descritas com a frieza de um paisagista), embora a narrativa não ganhe nada com isso. Antes pelo contrário, torna-se ainda mais opaca e gratuita.
Quartos Imperiais podia e devia ser um prolongamento de Menos Que Zero. Na prática, é uma repetição. Os mecanismos são os mesmos. Toda a gente explora toda a gente. Toda a gente manipula toda a gente. O niilismo, a misoginia e a misantropia são os mesmos (resumidos na frase final: «Nunca gostei de ninguém e tenho medo das pessoas»). O poder do dinheiro também é o mesmo, sinalizado pela exibição ostensiva da riqueza: limusinas e automóveis topo de gama, festas com celebridades, condomínios fechados, restaurantes da moda nas zonas mais caras (Beverly Hills, Sunset Boulevard, Bel Air). E as personagens nunca bebem uma água mineral qualquer; bebem Fiji. Isto no intervalo das linhas de coca, do sexo selvagem, da troca de mensagens no iPhone ou da dose de Xanax, claro.
Entre 1985 e 2010, houve o fim da Guerra Fria, o ataque às torres gémeas, os anos Bush, as guerras no Iraque e no Afeganistão, a crise do subprime, um presidente negro na Casa Branca. Nada disso transparece em Quartos Imperiais, o que não deixa de ser sintomático. No fundo, talvez Ellis mereça a frase que Clay lhe dirige logo no início do livro, quando se queixa da forma como o autor de Menos que Zero fixou a sua história: «Foi simplesmente alguém que passou a flutuar pelas nossas vidas sem parecer importar-se com o modo superficial como viu toda a gente.»

Avaliação: 3,5/10

[Texto publicado no suplemento Actual, do semanário Expresso]



Comentários

One Response to “Sexo, mentiras e niilismo”

  1. alteredfields on Setembro 8th, 2010 2:35

    Mais de meio livro lido e pensava para mim , “nothing here”, não perdi nada em ter deixado o ellis para trás , perdi um qualquer interesse em sequer pegar em cada livro dele que ia aparecendo nas montras , e então leimbrei-me da entrevista que ele deu ao ipslon e das palavras “Mas é isso mesmo. …….. A festa acabou… acabou!” , e começei a achar o livro muito bom, é exactamente isso, estranhei aquela história toda à volta de Rain, quando havia todas as personagens do LTZ , mas elas não poderiam existir agora de outra maneira, só aparecendo em ligações amargas, distantes, violentas a Clay . Acho que é a unica coisa decente que BEE fez… claro sou suspeito já que afirmei que não li alguns dos outros livros dele.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges