Harms vs. Harms


Clique para aumentar

Eis um grande combate literário em perspectiva. Amanhã à tarde. No Porto.
De um lado do ringue, Miguel Gouveia (editora Bruaá). Na outra ponta, o microficcionista Rui Manuel Amaral. Em vez de luvas de boxe, textos de Daniil Harms (1905-1942), um dos últimos «grandes vanguardistas russos que ainda ousaram exprimir-se com liberdade e ironia».



Comentários

Comments are closed.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges