Primeiros parágrafos

«Nós, os mirones, praticamos, às vezes, formas muito rebuscadas do nosso vício. Não nos basta espiar e ser indiscretos, não nos contentamos em indagar a vida dos outros – necessitamos absolutamente de ver para além do que pode ser visto, aquilo que a aparência oculta, e até de construir acontecimentos mesmo quando e onde nada parece existir. É por isso que, enquanto caminho pela cidade, gosto de fotografar dissimulada e aleatoriamente as pessoas à minha volta, a ver se, por acaso, o disparo da máquina capta algum movimento interessante, um gesto ou um meneio de cabeça que, uma vez congelados numa só fracção de segundo, mereçam, depois, que perca tempo a reenquadrar e redistribuir as sombras e a luz até ao ponto em que uma imagem banal e desinteressante se transforma num instantâneo fotográfico que possa vender a alguma revista de actualidades (ou de mexericos).
O mais comum é que as imagens assim captadas sejam totalmente desinteressantes e que fiquem tremidas ou desfocadas, sem nenhum préstimo. Quase sempre as apago logo a seguir, assim que as vejo no pequeno monitor da parte de trás da máquina e confirmo que não há ali nada que se aproveite. Mas não esta manhã. A fotografia que tirei perto do mercado, quando aquela moça bonita atravessou a rua entre o movimento das carrinhas para o Tarrafal e para a Assomada, ou para a Cidade Velha, acabou por me baralhar o dia, por esticá-lo e torcê-lo como se as horas tivessem adquirido uma qualidade elástica, mole, semelhante à massa de um bolo quando termina de ser batida. Isto, porém, só o percebi mais tarde, muito mais tarde, depois que regressei a casa, descarreguei as imagens para o computador e comecei a perceber as coisas que me tinham acontecido, e que talvez não fosse tudo um acaso e tivesse existido, afinal, um nexo qualquer entre factos aparentemente sem importância nenhuma.»

[in Zero à Esquerda, de Manuel Jorge Marmelo, edição do autor, 2013]



Comentários

Comments are closed.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges