19,30

Usain Bolt

Desta vez foram os 200 metros. Usain Bolt não bateu no peito, não reduziu a passada nem gozou com os adversários (para humilhação, basta os mais de cinco metros/meio segundo de avanço). Olimpicamente, o jamaicano foi sempre em rotação máxima até à meta. E no fim voltou a conseguir o impossível: bater o record de Michael Johnson (19,32 s), obtido em Atlanta há 12 anos e por muita gente considerado definitivo.
A proeza é tão extraordinária que isto já não vai lá com um poema. No mínimo, para lhe fazer justiça, impõe-se um romance russo de 1500 páginas, escrito a meias pelo Dostoievski e pelo Turguenev.



Comentários

Comments are closed.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges