A destruição subterrânea

capa_Grimbert

Um Segredo
Autor: Philippe Grimbert
Título original: Un Secret
Tradução: F. Coelho
Editora: Livros de Seda
N.º de páginas: 127
ISBN: 978-972-970-616-7
Ano de publicação: 2008

Neste aclamado segundo romance (vencedor de vários prémios, entre os quais o Goncourt des Lycéens 2004), Philippe Grimbert, psicanalista de profissão, utiliza os instrumentos da narrativa ficcional de fundo autobiográfico para recuperar uma dramática história familiar, acontecida antes do seu nascimento (1948). Filho único de pais atléticos e belos “como estátuas gregas”, o protagonista lida mal com a sua fragilidade de rapaz enfermiço, a que não faltam imperfeições físicas (“joelhos proeminentes”; “braços aracnídeos”). Para preencher um certo vazio, inventa um irmão imaginário, “mais velho, mais forte (…), glorioso, invisível”, até ao dia em que descobre a existência sempre negada de um irmão a sério; melhor dizendo, de um meio-irmão, fruto do primeiro casamento do pai.
Aos 15 anos, as mentiras que lhe protegeram a infância começam a ruir, uma a uma. Além de se descobrir judeu, identidade que o pai quis ocultar pela troca de duas letras do apelido (transformando Grinburg em Grimbert), na esperança de que a diferença ortográfica lhe permitisse “lançar raízes profundas no solo de França”, Philippe vai confrontar-se aos poucos com a forma como os progenitores realmente se apaixonaram e viveram o seu amor cheio de interditos (eram cunhados), durante os anos da ocupação nazi, momento histórico que dividiu ao meio não só o país como muitas famílias. Olhar para o passado, através das memórias alheias, equivale a abrir a caixa de Pandora. Porque o tempo que assim se resgata é um poço cheio de culpa e acasos dolorosos: se o meio-irmão Simon e a sua mãe, Hannah, não tivessem acabado em Auschwitz devido a um erro estúpido, os pais de Philippe nunca concretizariam a sua paixão proibida e ele nunca teria visto a luz. Mesmo à distância, o Holocausto contamina tudo com as suas cinzas. E «a obra de destruição empreendida pelos carrascos alguns anos antes do meu nascimento prosseguia assim, subterrânea, disseminando remessas de segredos, de silêncios, cultivando a vergonha, mutilando os patronímicos, gerando mentira».
O verdadeiro segredo de Grimbert (o escritor) está no modo como conseguiu cerzir, com delicadeza, os fios de uma história fortíssima, faltando apenas à sua prosa um pouco mais de audácia.

Avaliação: 7/10

[Texto publicado no suplemento Actual do Expresso]



Comentários

One Response to “A destruição subterrânea”

  1. diga cultura on Junho 16th, 2008 23:53

    A destruição subterrânea

    Neste aclamado segundo romance (vencedor de vários prémios, entre os quais o Goncourt des Lycéens 2004), Philippe Grimbert, psicanalista de profissão, utiliza os instrumentos da narrativa ficcional de fundo autobiográfico para recuperar uma dramá…

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges