A livraria do século XXI

Será que as livrarias devem temer a difusão cada vez maior dos sistemas de leitura digitais (Kindle, Sony, Plastic Logic, etc.)? Para Audrey Williamson, que analisa aqui um relatório da SLF (Sindicato das Livrarias Francesas) e da Alire (Associação das livrarias informatizadas e utilizadoras de redes electrónicas), mais do que ter medo, os livreiros devem adaptar-se o mais rapidamente que puderem ao novo paradigma. E termina com um sinal de esperança: se antes desta revolução em curso «as livrarias não podiam armazenar todos os livros nas suas lojas», em breve «vão poder vender, na forma digital, qualquer livro que exista».



Comentários

One Response to “A livraria do século XXI”

  1. Tim_booth on Setembro 30th, 2008 10:49

    Não sei se serei grande adepto do livro digital. Convenhamos, é muitíssimo mais cómodo andar com um único dispositivo com milhares de livros e se a leitura não for mais incómoda, como não é, então são apenas vantagens. Mas não estou disposto a prescindir do livro físico da mesma maneira que um amante de música não se desfaz dos seus discos de vinyl…

    Cheers

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges