Aeroporto José Saramago

O blogue BiblioFilmes propõe que o novo aeroporto internacional de Lisboa se chame José Saramago e eu apoio a ideia, não só porque faz sentido dar o nome do nosso Nobel da Literatura ao que virá a ser o principal lugar de chegada ao país, mas porque ninguém descreveu melhor do que ele, em Memorial do Convento, os sonhos aeronáuticos do Padre Bartolomeu de Gusmão.



Comentários

9 Responses to “Aeroporto José Saramago”

  1. BiblioFilmes on Dezembro 19th, 2010 22:13

    Obrigado! [e com a sua excelente fundamentação literária, de certeza, a proposta em epígrafe terá ainda mais “asas para voar” e chegar a bom (aero)porto:]

    Abraços

  2. José Catarino on Dezembro 19th, 2010 22:39

    Saramago não merece ser incluído nessa ficção do novo aeroporto. Há que esperar, pelo menos, que seja construído. Ora temos visto que nuns dias avança, noutros é esquecido, nos restantes não há dinheiro — e a cada dia que passa, menos haverá.

  3. qwerty on Dezembro 20th, 2010 9:56

    Que disparate. Esta mania de dar nomes de pessoas a qualquer buraco é miserávell.

  4. Luis Miguel Varela on Dezembro 20th, 2010 11:43

    Outra razão para esse “batismo” é que, como é sabido, Saramago tomou conhecimento de que tinha ganho o Nobel enquanto estava num aeroporto.

  5. RC on Dezembro 20th, 2010 11:54

    100% de acordo com os motivos enunciados.

  6. gaf on Dezembro 20th, 2010 12:47

    Não, não. Aeroporto Sá Carneiro, por razões óbvias.

  7. Maria Almira Soares on Dezembro 20th, 2010 18:01

    Fantástica ideia!

    Histórias de conventos há muitas e, embora seja interessante contá-las e ouvi-las, muito mais interessante é a história de um homem e de uma mulher que voaram.

  8. Francisco Rodrigues on Dezembro 21st, 2010 17:25

    O argumento de ter conhecido o Nobel num aeroporto parece-me um argumento notável! Sorte dele não estar no WC, de uma estação de serviço!

  9. George Sand on Dezembro 21st, 2010 21:42

    Talvez seja uma boa ideia. Mais não seja, porque assim que falarem nisso à Pilar, o aeroporto constroi-se. Nem que para isso ela tenha que trazer as pedras todas, de Lanzarote.:)
    Eu tive um azar daqueles…fui ler o Memorial do Convento depois de ter lido o Nome da Rosa.
    O meu prémio teria sido Torga

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges