Amanhã, na secção de Livros do ‘Actual’

– Entrevista com Jo Nesbo, autor de A Estrela do Diabo (Dom Quixote), por Paulo Nogueira
Haja Luz! Uma História da Química Através de Tudo, de Jorge Calado (IST Press), por Virgílio Azevedo
Papéis de Jornal, de António Mega Ferreira (Imprensa Nacional-Casa da Moeda), por Pedro Mexia
Macedo, uma biografia da infâmia, de António Mega Ferreira (Sextante), por Hugo Pinto Santos
Anatomia dos Mártires, de João Tordo (Dom Quixote), por José Mário Silva
Bel-Ami, de Guy de Maupassant (Relógio d’Água), por Carlos Bessa
A Estrela do Diabo, de Jo Nesbo (Dom Quixote), por Paulo Nogueira
Um Lugar nos Olhos, de Luís Manuel Gaspar (Ao Norte), por Sara Figueiredo Costa
Viagem de Autocarro, de Josep Pla (Tinta da China), por Mário Santos
Em Caso de Tempestade Este Jardim Será Encerrado, de Inês Dias (Tea for One), por António Guerreiro
Pensamentos, de Oscar Wilde (Relógio d’Água), por Ana Cristina Leonardo
Os 50 Grandes Acontecimentos da História, de Hugh Williams (Matéria Prima), por Anabela Natário



Comentários

3 Responses to “Amanhã, na secção de Livros do ‘Actual’”

  1. jovem on Dezembro 21st, 2011 22:41

    posso só fazer uma pergunta? o mário santos referido nesta nota é o mesmo mário santos antigo crítico do Y? se for peçam-lhe para escrever mais vezes :)

    saudações

  2. Gerana Damulakis on Dezembro 25th, 2011 1:50

    Não resisti e fiz uma pequena listinha lá no meu Leitora com os livros que mais me fascinaram em 2011:
    OS LIVROS DO ANO 2011 FORAM MUITOS, MAS VOU DESTACAR CINCO DELES E COLOCAR O MUSEU DA INOCÊNCIA (COMPANHIA DAS LETRAS, 2011), DE ORHAN PAMUK, COMO O GRANDE LIVRO.

    GRANDES LEITURAS:
    BROOKLYN, DE COLM TÓIBÍN (Companhia das Letras, 2011)
    NÊMESIS, DE PHILIP ROTH (Companhia das Letras, 2011)
    CLARABOIA, DE JOSÉ SARAMAGO (Companhia das Letras, 2011)
    E DEPOIS, DE NATSUME SOSEKI (Estação Liberdade, 2011)
    MONSIEUR PAIN, DE ROBERTO BOLAÑO (Companhia das Letras, 2011)

    Concorda com algum?

    Feliz Natal e feliz Ano Novo para vc e sua família. Votos de além mar.

  3. Carlos Luiz Dostoievksi on Dezembro 27th, 2011 0:50

    Ora boa noite…

    não queria trazer aqui um conto flaubertiano para as leitoras gordas do blogue degustarem depois de mais uma noite de solidão, mas uma chamada de atenção.

    Quem seria José Maria Eça sem o Gustavo Flauberto? hum? Talvez ninguém… porque há muita filologa com doutoramento, mas sem todos os molares, que enche a boca (e o espaço que era dos molares) com a originalidade do José Maria.

    Ora ele, nem nas histórias, nem nas personagens era original. Aliás, aquela questão da Carlos e da Eduarda já tinha aparecido nos olhos de agua da TVI. Daí que o nosso José Maria, mesmo no padre Amaro, seja duma originalidade duvidosa.

    Querem ler verdadeiro romantismo? Leiam o Gustavo Flauberto.

    Gordas, quero as vossos comentárias.

    Gordas, quero ver os vossos sorrisos e esperança em 2012

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges