Amanhã, na secção de Livros do ‘Actual’

– Entrevista com Jennifer Egan, autora de A Visita do Brutamontes (Quetzal), e recensão ao livro, por José Mário Silva
Capitais, de Paulo Tavares (edição do autor), por António Guerreiro
Onde Moram as Casas, de Carla Maia de Almeida e Alexandre Esgaio (Caminho), por Sara Figueiredo Costa
A Filha do Optimista, de Eudora Welty (Relógio d’Água), por Ana Cristina Leonardo
Breviário das Más Inclinações, de José Riço Direitinho (Quetzal), por Pedro Mexia
– Escolhas de Karla Suárez



Comentários

One Response to “Amanhã, na secção de Livros do ‘Actual’”

  1. José Passarinho on Abril 15th, 2012 1:15

    Há dias fui ver um jogo do Bayern e, quando sai do estádio, fui ao McDonalds, encontrei lá uma miúda, pouco mais nova que eu, que me disse que gostava de ler textos de Yun Dong Fu. Levei-a ao meu apartamento e passámos a noite a ler, a rirmo-nos e a descobrirmo-nos. Ela é corretora de seguros e esteve na Ásia dois anos, regressou quando terminou o namoro com um chinês de nome So So Lin que, creio, que é professor numa qualquer faculdade de Pequim. A Ninete, é assim o nome dela, disse-me que em alguns meios Yun Dong Fu é quase deificado. Em Pequim há quem diga de memória alguns dos seus contos (estes chineses são capazes de tudo!). Ninete disse-me que escolheu ir para Pequim, para continuar a sua actividade na empresa que representa, devido a um “problema” físico. Tinha visto uma reportagem no Arte e percebeu que a “dimensão” dos chineses era mais compatível com a sua capacidade de “aceitar” e isso foi, no entender dela, um “pequeno” mas importante factor motivador. Depois o So So Li publicou umas fotos na internet, que tinham como tema o “problema” físico de Ninete, ela não gostou e deixou-o. Veio para Munique trabalhar e, ao mesmo tempo, beneficiar de uma bolsa de estudos e, agora, dedica-se a estudar autores chineses do século XX. Está a fazer um pós-doutoramento. Disse-me, no entanto, que gosta de ler livros em português, porque a sua mãe é portuguesa, em nova aprendeu a falar a nossa língua, que lê fluentemente. Falo em tudo isto porque a Ninete também gosta de ler José Riço Direitinho, achei curioso que, a esta distância, uma pessoa, para mais com esta experiência de vida, encomende, pela internet, livros daquele autor, os goste de ler, e os recomende… depois de fazer amor, ainda arfante.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges