Amanhã, na secção de Livros do ‘Actual’

Hannah Arendt e Martin Heidegger (Relógio d’Água), de Elzbieta Ettinger, por Ana Cristina Leonardo
Finisterra – O Trabalho do Fim: Recitar a Origem, de Manuel Gusmão (Angelus Novus), por António Guerreiro
Fumo Sagrado, de Guillermo Cabrera Infante (Quetzal), por Vítor Quelhas
Os Espiões, de Luis Fernando Verissimo (Dom Quixote), por José Mário Silva
O Albatroz Azul, de João Ubaldo Ribeiro (Edições Nelson de Matos), por Paulo Nogueira
Corpos Vis, de Evelyn Waugh (Relógio d’Água), por Rogério Casanova
Lavínia, de Ursula K. Le Guin (Presença), por José Guardado Moreira



Comentários

Comments are closed.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges