Blurb do ano

Vem na contracapa da edição de capa mole do romance de Murilo Carvalho:

«Se algo me prendeu no momento em que abri O Rastro do Jaguar foi o ritmo da linguagem. Uma escrita musical que nos leva tranquilamente de folha em folha, praticamente sem se dar por isso.»

Autor: Luís Figo. O futebolista, sim.



Comentários

3 Responses to “Blurb do ano”

  1. António on Abril 1st, 2009 18:15

    Bom, estou decidido a comprar a edição em capa dura.

  2. Jorge on Abril 5th, 2009 10:33

    Espantoso.
    Quem tem amigos, tem tudo.
    Acho curioso que tenha sido possível ter dado a ler um livro desse calibre (size matters?) a quem lá dá o nome, que o tenham lido a tempo, e que tenham escrito as suas impressões sem o socorro de assistentes de imagem, essas coisas; é a glória da leitura, nós distraídos com o nosso cepticismo, milagres acontecendo debaixo das nossas barbas.

  3. Leitor enganado on Abril 15th, 2009 14:28

    Este prémio é anedota ou então caso processo judicial.
    Vejamos como os senhores Leya corrigiram estes reparos feitos na blogosfera
    1º O vencedor recebe 7%, ou seja, passa a haver direitos de autor.
    (Contudo, pode não haver vencedor, ou seja, publica-se um deles, e os 100000 servem para pagar aos ilustres membros do júri, ao anúncio em Frankfurt e ao aluguer do hotel para o Presidente da República fazer um discurso pró-língua, o burro de carga que se lixe).
    2º Não há finalistas. (Que novidade, também não houve em 2008, os tais 10 sortudos a quem iam dar 25000 euros ficaram-se por 8 e, desses 8, esfumaram-se que nunca mais soubemos nada deles).
    E por aqui me fico, desejando que houvesse tribunais e governos civis que fiscalizassem este género de concursos abençoados pela Presidência da República. O Portugal dos mesmos de sempre no seu melhor.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges