E agora para algo completamente diferente

Esqueçam Lady Gaga, esqueçam Christina Aguilera, esqueçam Madonna. Abram alas para Rachel Bloom e para a canção mais sexy de 2010. Um pequeno tratado sobre o poder erótico da literatura e o appeal de um mestre da FC:

Entretanto, como se depreende destes comentários, o escritor não ficou nada ofendido (nem morreu de ataque cardíaco). Antes pelo contrário. Terá mesmo «enjoyed» o vídeo de Bloom, que à sua maneira não deixa de ser uma prenda de anos antecipada. É que o autor de Fahreneit 451 cumpre 90 anos depois de amanhã.

[Descobri o vídeo no blogue BiblioFimes]



Comentários

One Response to “E agora para algo completamente diferente”

  1. José Catarino on Agosto 20th, 2010 10:12

    Foi a minha professora de Português, Margarida de Carvalho, quem, há mais de 40 anos, me pôs a ler Bradbury. Comecei desdenhoso — faltavam batalhas espaciais, naves couraçadas, monstros para destruir… Mas tinha vampiros perseguidos por humanos, os rapazes e a árvore Haloween, comunidades dispersas pelo progresso, enfim, um olhar diferente sobre o sobrenatural. Depois, quando comecei a poder comprar os livros da Argonauta, não perdi nada dele. O Farenheit só o li mais tarde. Sobre a inusitada proposta do vídeo, compreendo que sinta honrado embora seguramente lastime que tenha chegado tão atrasada. Dá Deus nozes a quem não tem dentes, diz o povo.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges