Escrita em Dia – Especial Nobel

Esta noite vou participar numa emissão especial do Escrita em Dia, sobre o Prémio Nobel da Literatura, cujo vencedor de 2008 será conhecido amanhã. Isabel Coutinho, Rogério Casanova e Eduardo Pitta também participam na conversa, moderada por Francisco José Viegas.
O programa é emitido pela Antena 1, logo após o noticiário das 23h00.



Comentários

3 Responses to “Escrita em Dia – Especial Nobel”

  1. Luís Graça on Outubro 8th, 2008 15:07

    Se viste o “Imperdoável” (do Clint Eastwood) sabes que a ordem por que se dispara contra o inimigo é muito importante na altura dos duelos.
    Se der porrada, começa por deitar ao solo o Francisco. Deixa a Isabel Coutinho para o fim, mas não a percas de vista. Nunca se sabe quem dispara primeiro.

    Deixo-te umas cábulas, para o caso de não estares com pachorra para pensar muito. E dá para qualquer prémio. Só umas frasezitas:

    “O Nobel vale o que vale. Há imensos escritores geniais que não tiveram o Nobel e não são menos escritores por isso. E alguns que tiveram o Nobel e provavelmente passarão ao esquecimento”

    “Fiquei e não fiquei surpreendido com este prémio. Por um lado, era um dos nomes considerado dos mais favoritos. Por outro, sempre pensei que algumas resistências da ordem do politicamente correcto lhe podiam retirar grande parte das hipóteses”.

    “Acho que é um prémio justíssimo. No entanto, devo dizer que a sua obra mais antiga foi aquela que mais me tocou. Ele é um escritor que anda sempre no fio da navalha e nunca se corta. Ora, isso não é para todos”.

    “É óbvio que o Nobel tem uma importância comercial que não se discute, Eduardo Pitta. Interpretou mal as minhas palavras.Eu até concordo consigo…não, não há problema nenhum…não tem necessidade de pedir desculpa…sempre nos demos bem…não íamos zangar-nos por causa do Nobel…ainda por cima porque, mais ano menos ano, um de nós vai ter de felicitar o outro pelo prémio…”

    “Tudo bem, Francisco…não há problema…a Corona não deixa nódoa, pois não? Mas já agora põe lá a garrafa mais longe…e se puderes não soprar o fumo do Monte Cristo para cima de mim eu agradeço…”

    “Eu acho que o Grande Elias foi o Nobel mais bem atribuído de sempre. Qual Grande Elias? O Elias Canetti, o autor do “Auto de Fé”…não leram? É a biografia de Enzo Ferrari e de toda a fé que ele teve até construir o Império Auto da Ferrari. Muito interessante. Principalmente aquela parte em que ele fala do cavalo que levava para o circo e entrava emplumado através de uma rampa: o famoso cavallino rampante”.

    PORRA QUE SOU MESMO ESTÚPIDO SEM EMENDA. OBRAS MESMO AQUI POR CIMA DA MINHA CABEÇA. BROCAS & MARTELADAS, LDA. DORMI TRÊS HORAS. E EM VEZ DE TOMAR BANHO, ALMOÇAR E PIRAR-ME PARA A COMUNIDADE DA CULTURGEST JÁ ANDO POR AQUI ARMADO EM PARVO. A CULPA É TUA ZÉ MÁRIO. EU ANTES NÃO CONSEGUIA ENTRAR NAS CAIXAS DE COMENTÁRIOS.

    (Hoje o livro é “A ronha da noite”, em que a Agustina descreve o ambiente marginal da recente noite portuense)

  2. Luis Miguel Brocha on Outubro 8th, 2008 15:10

    Ai quu saudaides dos tiempos em que o Bieguitas me combidaba quaise tuodos os mieses para a rádio, catano… Eu já nem sabia do que falar, carago, mas aquilo daba-me pica ao ego, e ao Chico também…

  3. Alexandre Kovacs on Outubro 8th, 2008 22:45

    Infelizmente não poderei assistir a este especial, não por minha vontade, mas por um oceano que separa a nós brasileiros das transmissões da Antena 1 de Portugal.

    Que tal postar uma gravação no You tube? Os brasileiros deste lado do oceano agradecem!

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges