Frases de Amin Maalouf, esta tarde, na Fundação Gulbenkian

«As civilizações que mais proclamam a sua diferença em relação às outras são as que mais se sentem ameaçadas.»

«O problema não está nos textos sagrados mas nas interpretações que a partir deles são feitas. Na Bíblia, como no Corão, por cada frase que apela à tolerância há uma outra que incita ao uso da espada.»

«A influência dos povos sobre as religiões é maior do que a influência das religiões sobre os povos.»

«O destino das doutrinas depende do lugar onde se desenvolvem. O comunismo, se tivesse surgido na Inglaterra ou na Alemanha, teria sido muito diferente do que foi, ao aparecer na Rússia e na China.»

«É pela cultura, e sobretudo pela literatura, que os povos se revelam, com todos os seus medos e frustrações.»

«O Ocidente precisa de sair do excesso de confiança em si mesmo, enquanto o mundo árabe precisa de sair do poço histórico em que caiu.»

«Eu estou entre dois mundos que não se compreendem e nem sequer são capazes de se ouvir um ao outro. Criar pontes entre estes dois mundos é uma tarefa de Sísifo.»

«Os preconceitos ocidentais contras os árabes são hoje os mesmos de há 50 anos, de há 100 anos, de há 200 anos. E vice-versa.»


Amin Maalouf com o seu interlocutor, António Vitorino



Comentários

3 Responses to “Frases de Amin Maalouf, esta tarde, na Fundação Gulbenkian”

  1. António on Julho 9th, 2009 9:11

    Muito obrigado pelos fragmentos; parece ter sido uma excelente conversa.

    Sabes se este evento terá cobertura na imprensa de fim-de-semana ou algo de semelhante? Adoraria ler um resumo comentado ou uma entrevista prolongada.

    – António

  2. José Mário Silva on Julho 9th, 2009 10:26

    Ainda não sei, António. É possível que saia alguma coisa no ‘Expresso’, mas não tenho a certeza.

  3. Maria on Julho 9th, 2009 12:18

    Sim senhor;
    muito obrigada pelo post que é excelente e informativo da linha de pensamento de Malouf-para quem não o leu ainda é um bom serviço que cria em principio curiosidade e interesse ; o que é sempre bom.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges