Fundação José Saramago abre hoje as portas na Casa dos Bicos

Eis o comunicado de imprensa sobre este momento decisivo na vida da Fundação José Saramago:

«A Fundação José Saramago abre as portas ao público às 14h00 de 13 de junho, finalizada que está a primeira fase das obras de readaptação da Casa dos Bicos.
O presidente da Câmara Municipal de Lisboa e a presidenta da Fundação inauguram nessa manhã oficialmente a nova sede, numa sessão que começa às 11h30 e que, devido a constrangimentos de espaço, é destinada a convidados e à comunicação social. Na breve cerimónia, será emitido uma gravação em vídeo de José Saramago sobre os objetivos da Fundação, e seguem-se intervenções de Fernando Gómez Aguilera, comissário da exposição “José Saramago. A Semente e os Frutos”, e do presidente da CML. Seguir-se-ão uma visita pelo interior do edifício e a inauguração da exposição, que ocupa todo o primeiro andar.
A exposição “José Saramago. A Semente e os Frutos” ilustra a vida e a obra de José Saramago enquanto cidadão e escritor. O percurso passa pelas origens na aldeia ribatejana da Azinhaga, com a evocação dos avós Josefa e Jerónimo, e pelos anos de escrita jornalística e militância cívica e política. Os frutos referidos no título da exposição estão patentes nos manuscritos, nos livros em edições em diferentes línguas e na consagração trazida pelo Prémio Nobel da Literatura de 1998. Estarão expostos objetos pessoais de José Saramago, como a reconstituição do primeiro escritório onde escreveu, as agendas minuciosas em que organizava o dia-a-dia, fotografias com amigos de todos o mundo.
Parte da biblioteca pessoal de José Saramago está guardada na Casa dos Bicos – o essencial ficou na Biblioteca em Lanzarote – e fica disponível para investigadores, que disporão de áreas de trabalho no edifício. É possível aceder à Biblioteca de Lanzarote a partir de equipamento eletrónico instalado no edifício de Lisboa.
A Casa dos Bicos, cedida à Fundação Saramago pela Câmara Municipal de Lisboa em 2008, conclui agora a primeira fase das obras de restauro e adaptação deste edifício seiscentista. A segunda fase incidirá sobretudo na jazida arqueológica inestimável existente a nível substerrâneo. Em 1983, por ocasião da XVII Exposição de Artes, Ciência e Cultura, a Casa dos Bicos foi reconstruída, pois o Terramoto de 1755 tinha-a destruído parcialmente e durante muito tempo serviu de armazém de bacalhau. As obras feitas no último ano são da responsabilidade dos arquitetos Manuel C. Vicente, que já tinha sido autor da profunda reconstrução de 1983, e pelo arquiteto João Santa-Rita, filho do coautor de então, José Santa-Rita. Quase todo o mobiliário foi concebido, executado e oferecido por Paredes Polo de Design de Mobiliário.
A Casa dos Bicos ficará aberta todos os dias úteis das 10 às 18 horas, e aos sábados das 10 às 14 horas, com entrada gratuita até ao final de junho. Contará com uma loja onde os visitantes podem comprar livros de José Saramago em várias línguas e artigos com a marca da Fundação.»



Comentários

Comments are closed.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges