Há uma razão para os livros velhos cheirarem bem

E é química: «The ink and chemicals used in the production of a book reacts with heat, moisture and light, causing the organic materials to break down. This is especially true for books with high acidity, like those made during the 19th and 20th centuries.» Os investigadores descrevem os compostos orgânicos voláteis que se libertam quando folheamos um volume antigo desta forma: «A combination of grassy notes with a tang of acids and a hint of vanilla over an underlying mustiness.» Os críticos enófilos não diriam melhor.



Comentários

3 Responses to “Há uma razão para os livros velhos cheirarem bem”

  1. Mak on Abril 27th, 2012 16:48

    Passo agora a pensar se deverei abrir um bom livro antigo que lá tenha guardado em casa quando lá forem amigos que sejam apreciadores.

  2. Valter Ego on Abril 28th, 2012 16:21

    José Mário Silva, que tal abrir um Curso Geral de Bibliofagia com cadeiras especializadas em prova de livros?

  3. Ricardo on Maio 2nd, 2012 9:19

    Nós os químicos nunca deixamos de nos surpreender com o que os nao químicos se surpreendem!

    No entanto nao se pense que só de estudos lá de fora se faz esta área. A Professora Elvira Gaspar (FCT-UNL) e a sua equipa publicaram em 2010 um estudo precisamente sobre o “cheiro” a livro velho. Segue abaixo o link para quem estiver interessado:
    http://www.springerlink.com/content/7228mq81137302k5/fulltext.pdf

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges