Luís Miguel Rocha no ‘The New York Times’

O escritor português Luís Miguel Rocha acaba de lançar O Último Papa nos EUA. A Putnam (chancela americana da Penguin) vê em The Last Pope, romance de tons conspirativos sobre a misteriosa morte de João Paulo I, apenas 33 dias após a sua nomeação como Sumo Pontífice, um “best-seller internacional”. O optimismo é tanto que a meta para o mercado americano ronda a barreira do milhão de exemplares. Estão também previstas versões eBook e uma edição electrónica para o Kindle.
Entretanto, os serviços de “assessoria” do escritor fizeram saber que o The New York Times terá convidado Luís Miguel Rocha a escrever um artigo de opinião sobre a morte do antigo Cardeal Albino Luciani. A publicação está agendada “para a última semana de Setembro, por altura dos 30 anos da morte de João Paulo I”, garante o comunicado, onde se lê ainda que “esta será a primeira de várias colaborações com aquele jornal”.



Comentários

20 Responses to “Luís Miguel Rocha no ‘The New York Times’”

  1. oespectador on Agosto 26th, 2008 10:50

    e é ele mesmo que escreve… ou são os assessores? e escreve em inglês? o tipo dizia que nem lia em inglês o os textos na página dele na net eram, enfim… cómicos

  2. anita r. (cascais) on Agosto 26th, 2008 11:13

    hmm se a “notícia” veio dos mesmos “assessores” que lançaram para o ar a iminência de “revelações” surpreendentes sobre o “caso”, o que nunca acabou por acontecer, será que a “notícia” é de fiar, jms?

  3. poispois on Agosto 26th, 2008 11:14

    olhe que eu a si confirmava primeiro com o NYT…

  4. Luís Rodrigues on Agosto 26th, 2008 11:19

    E recordemos que esse mesmo Rocha, que escrevia “after making 25 years old” (sic) no seu site, afirmava produzir guiões para a televisão britânica.

    Deve estar com esperanças que, quando o final de Setembro chegar, já ninguém se lembre desta promessa. Como daquela vez em que jurou em entrevista que “um grande jornal italiano” ia publicar os famosos documentos secretos em que se tinha inspirado para o seu livrelho, e que aí sim, os críticos iam ver como elas mordiam. E que Hollywood ia adaptar o romance, o que é estranho porque o procedimento habitual é o dos estúdios opcionarem primeiro os direitos (sem a obrigação de produzir nada) e emitirem um comunicado de imprensa que, até à data, está por comunicar.

    Eu cá vou guardar a notícia nas bookmarks e meter uma nota na agenda para mais tarde ir à procura deste PT Barnum das letras portuguesas no New York Times. Quem sabe, talvez me surpreenda.

  5. poispois on Agosto 26th, 2008 11:20
  6. costas quentes on Agosto 26th, 2008 11:25

    O Rocha, que ninguem sabe bem que é e de onde vem, encontrou um padrinho de luxo no Francisco José Viegas e pronto … e aposto q é ele na capa da LER lol

  7. Luís Rodrigues on Agosto 26th, 2008 11:29

    (Bom, agora não me lembro se era “after making” ou “after doing”, mas em qualquer dos casos estava conspicuamente incorrecto.)

  8. José Mário Silva on Agosto 26th, 2008 11:36

    Caríssimos,

    Foi por ter tantas dúvidas como vocês que coloquei a assessoria entre aspas e escrevi que o NYT “terá convidado” e não “convidou” (que era o que dizia o comunicado). No final de Setembro tiraremos a limpo esta questão, mas algo me diz que algo nesta história, como aliás nas outras que dizem respeito a Luís Miguel Rocha, não bate certo.

  9. costas quentes on Agosto 26th, 2008 11:41
  10. Bernardo Fonseca on Agosto 26th, 2008 12:00

    O “Bibliotecário de Babel” não era um blogue sobre livros e literatura? Já basta a “Ler”. Por favor, passemos adiante.

  11. anónimo on Agosto 26th, 2008 12:47

    venham para aqui vomitar, invejosos!

  12. Luis COsta - Lisboa on Agosto 26th, 2008 13:16

    “O sr. Rocha ataca de novo, desta vez no Convento do Carmo, com o Francisco José Viegas a abençoar. Este Francisco é mesmo uma jóia de pessoa, já que o caso mental do sr. Rocha inspira mais piedade do que propriamente cuidados. Imagine-se que ele até falou com o assassino de João Paulo I, coisa que guarda no silêncio da sua excelsa cabeça. Para dar o “tom” ao lançamento do livro “O Último Papa”, do sr. Rocha, tocava-se a música da saga “O Padrinho”. É preciso dizer mais alguma coisa?” (João Gonçalves, in Portugal dos Pequeninos, 30.09.2006)

  13. Luis COsta - Lisboa on Agosto 26th, 2008 13:17

    “No telejornal da RTP apareceu um sujeito, de nome Rocha, que escreveu um livro intitulado “O Último Papa”. De acordo com o próprio, o livro “revela”, em versão romanceada, uma “conspiração” dentro do Vaticano que terminou na morte do Papa João Paulo I, em 1978. Não contente com a aparição simultânea do livro em dois ou três países, o nosso autor já sonha com Hollywood e até anunciou o nome dos putativos actores. Rocha – e outros como ele por esse mundo fora – anda a explorar a ignorância e a insuficiência espiritual das gentes do nosso tempo. Com sucesso, diga-se de passagem. Se repararmos na parte das livrarias que atrai mais público, ficamos esclarecidos. “Esoterismo”,” espiritualidades” e “religião” têm sempre clientes. A “era do vazio” gera subprodutos mitómanos e miméticos como este Rocha. Apesar de mitómano, não é parvo. “O Último Papa” é apenas mais de um mesmo negócio que, dadas as circunstãncias, vende bem. Entre “Os Possessos” e um livro que se pode ler tranquilamente no cabeleireiro, quem é que hesita?” (João Gonçalves, in Portugal dos Pequeninos, 24.09.2006)

  14. Luis COsta - Lisboa on Agosto 26th, 2008 14:38

    E para não variar o link do site do LMR que a Isabel Coutinho colocou no Ciberscritas leva… a uma página em branco. Há autores com um mistério tão fundo que um dia caem la dentro e não voltam à tona…

  15. BiblioFilmes Festival on Agosto 26th, 2008 15:47

    E não está previsto um trailer para o livro?! Ou uma adaptação para o cinema?

  16. anónimo on Agosto 27th, 2008 0:14

    Se a inveja matasse … custa assim tanto ver alguém que sabe fazer pela vida, mesmo que seja vidinha? Esforcem-se, vá lá, a ver se aparecem na Penguin! Vocês nem que matassem mesmo o Papa … imagino-vos verdes! Ahahaahah!

  17. Luís Rodrigues on Agosto 27th, 2008 8:02

    Caro anónimo: Olhando para o rank de vendas deste “best-seller” na Amazon.com (#415,072, tendo descido quase 300 mil posições em três dias), não me parece que haja muito a invejar. Pode ser que a coisa espevite quando sair o mass-market paperback, mas se o objectivo for vender um milhão de exemplares, então boa sorte.

    Além disso, e pela parte que me toca, não sou nem quero ser escritor. Tenho inveja de quê ao certo?

  18. anonimo(n é o escritor) on Agosto 30th, 2008 12:18

    Eu conheço pessoalmente esse “pseudo” escritor e garanto que ele é um mentiroso compolsivo. N tem as minimas das capacidades para escrever tais livros. Vasta ver o tipo de linguagem que ele utiliza nas entrevistas (bastante basico e rude) e a linguagem usada no livro( completamente o oposto). Agora verdade sim, é o facto de ter alguém por trás que escreve os seus livros, talvez um padre indignado que não queira dar a cara… quem sabe!!! apanha-se mais facilmente um mentiroso do que um coxo…

  19. Bibliotecário de Babel – Uma fraude chamada Luís Miguel Rocha on Setembro 29th, 2008 21:49

    […] pouco mais de um mês, reproduzi aqui uma informação veiculada pelos serviços de “assessoria” (whatever that means) de […]

  20. Bibliotecário de Babel – Desculpa esfarrapada on Outubro 2nd, 2008 13:07

    […] foi enviado a 22 de Agosto. Eu recebi um forward do mail a 25 de Agosto e publiquei este post a 26. E tudo estaria bem, não se desse o caso de já existir um link para a versão online do […]

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges