Maravilhas da paternidade

O Pedro, triste, depois da derrota de Portugal: «Há um dia que o Sporting vai ganhar, não é?»



Comentários

8 Responses to “Maravilhas da paternidade”

  1. isabel ribeiro on Junho 29th, 2010 21:32

    Não. Pedro. O Sporting não se preocupa com vitórias, apenas com o prazer do jogo e os apoiantes estão na mesma. Semre numa de fair-play…

  2. henedina on Junho 29th, 2010 23:11

    Eu costumo dizer aos meus amigos do Sporting que os homens do Sporting são cheios de qualidade, são fieis e assertivos. Fieis porque se mantem num clube que lhe não dá vitorias e assertivos por o dizem sem vergonha.
    Só os primeiros 25 minutos depois …O guarda-redes do Braga, foi igual a si próprio.

  3. paulo ferreira on Junho 30th, 2010 1:18

    muito, muito, muito bom. :)

  4. Maria João Freire de Andrade on Junho 30th, 2010 9:11

    Tão querido, o Pedro! É um rapazinho dos meus.

  5. André on Junho 30th, 2010 13:04

    Os meus sobrinhos, de 3,5 e 4,5 anos, quando querem referir-se a alguma coisa eventual a pender para o improvável dizem “quando o Sporting for campeão”. Isto tem obviamente o dedo do meu cunhado, lampião.

  6. alexandre Esgaio on Junho 30th, 2010 17:56

    E o pai diz para o filho: sim filho UM DIA o Sporting vai ganhar…eventualmente….ah, ah, ah.
    Abraço

  7. Luis on Junho 30th, 2010 19:31

    O pior é que ele não disse isso só para agradar ao pai.

  8. MiC on Julho 1st, 2010 10:18

    O Arsenal não ganha à não sei quantos anos e não para de ser um clube admirável, pela juventude e qualidade de jogo. O Sporting ia num caminho semelhante… Se muda radicalmente de politica para vencer (cm o novo presidente) serão vitórias historicamente amargas, a acontecerem. O admirável do Sporting será sempre a escola e a quantidade de portugueses que colocam a jogar. Por isso, enquanto não acerta novamente na ideologia o melhor é não ganhar, visto ser a única admirável do futebol português. E ai têm-se sempre uma vitória todos os anos.

    Um Abraço do Porto

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges