Maravilhas da paternidade

Há umas semanas, chamei a Alice e o Pedro para lhes mostrar um segredo escondido na couve-flor e nos brócolos: se olharmos com atenção, vemos que cada uma das suas partes progressivamente mais pequenas tem uma forma igualzinha ao todo. «A isto, meninos, chama-se uma estrutura fractal.» Eles fizeram que sim com a cabeça, como fazem de cada vez que lhes explico uma coisa nova, mas julguei que o conceito talvez fosse demasiado complexo e que rapidamente o esquecessem, sepultado sob milhares de outras informações adquiridas todos os dias a uma velocidade vertiginosa.
Engano meu, está bom de ver. No outro dia, o Pedro pôs-se a gritar na secção de produtos hortícolas do Intermarché, apontando com evidente entusiasmo para o local onde estavam expostas as couves-flor: «Olhem, olhem, estruturas fractais.»



Comentários

Comments are closed.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges