Melancolia e vento turvo

capa_velhos.jpg

Velhos
Autor: Jorge Gomes Miranda
Editora: Teatro de Vila Real
N.º de páginas: 51
ISBN: 978-989-95686-3-1
Ano de publicação: 2008

Uma das características da obra recente de Jorge Gomes Miranda – poeta dos mais activos no nosso país (dez títulos desde 2002, em sete editoras distintas) – é o modo como altera o tom e as coordenadas da sua escrita, de livro para livro, criando para cada um deles universos autónomos, com uma lógica interna muito vincada. Se em O Acidente (Assírio & Alvim, 2007) eram os objectos do quotidiano – lâminas de barbear, chávenas, cassetes, molas da roupa – a descrever o embate de um homem contra uma ausência que tudo devora, em Velhos é de um ciclo épico que se trata, com direito a proposição, invocação e dedicatória, mais o improvável coro de tragédia grega, acomodado nas “cadeiras de plástico” de um lar de idosos. “Velhos, divinos velhos, como esquecer-vos?”, pergunta JGM, tratando esses “soberanos escorraçados da beleza” com um respeito que o resto da sociedade, por acção ou omissão, deixou de lhes prestar.
Com os corpos inclinados “na direcção do inverno”, os velhos avançam até ao “proscénio do poema” e ali ficam, à mercê da memória ou de um golpe de súbita ternura, esperando que os leitores não os abandonem à sua sorte. A atmosfera do livro está saturada de melancolia e “vento turvo”, mas também do rancor amargo com que os “patifezinhos de segunda”, sentindo próxima a hora, inventam maldades, embirrações e vinganças para enganar o medo.
Só é pena que alguns poemas de coloquialidade algo forçada, cheios de exclamações (há um com cinco), acabem por comprometer, lá mais para o fim, a coerência até aí impecável do conjunto.

Avaliação: 7/10

[Texto publicado no suplemento Actual do Expresso]



Comentários

One Response to “Melancolia e vento turvo”

  1. diga cultura on Julho 15th, 2008 20:18

    «Velho»: Melancolia e vento turvo

    Uma das características da obra recente de Jorge Gomes Miranda – poeta dos mais activos no nosso país (dez títulos desde 2002, em sete editoras distintas) – é o modo como altera o tom e as coordenadas da sua escrita, de livro para livro, criand…

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges