MeYA

Um dos grandes objectivos da concentração de empresas, já se sabe, consiste em reduzir o número de trabalhadores. Criam-se departamentos transversais e corta-se no pessoal. É também isso que está a acontecer na tão falada holding de Miguel Pais do Amaral: na apresentação da nova marca do grupo já só estiveram 549 funcionários, dos 670 que havia antes (correspondendo a uma quebra de 18%), mas há quem fale num downsizing ainda maior, na ordem dos 40%. Veremos. Mas se quase metade das pessoas que trabalhavam nas editoras progressivamente adquiridas por Pais do Amaral forem efectivamente dispensadas, talvez valesse a pena mudar o nome da holding de LeYa para MeYa. É que em vez da Caminho, da Asa, da Dom Quixote, da Texto, da Gailivro, da Novagaia, da Ndjira e da Nzila, vamos ter meia Caminho, meia Asa, meia Dom Quixote, meia Texto, meia Gailivro, meia Novagaia, meia Ndjira e meia Nzila.



Comentários

5 Responses to “MeYA”

  1. Pedro Marques on Janeiro 15th, 2008 16:34

    Vero…e bene trovatto!

  2. Carlos Gouveia on Janeiro 15th, 2008 17:00

    Além do downsizing (não consigo escrever em itálico), a confusão já se está a gerar no que respeita à relação da editora/livreiro, que passo a descrever: a minha esposa e uma amiga fizeram uma sociedade e resolveram apostar numa livraria em Pontével, uma freguesia de pequenas dimensões
    no concelho do Cartaxo. A livraria abriu em Novembro, e tendo em conta o sítio e as pessoas, uma terra com cerca de 5 mil habitantes com pouca (nenhuma) oferta cultural, conseguiram sobreviver estes 2 primeiros meses. Os contactos feitos com as várias editoras citadas, com primazia à Dom Quixote, Asa e Caminho (agora no novo grupo) foram feitos com sucesso, dando como exemplo novas encomendas feitas ainda em Dezembro a prever o Plano Nacional de Leitura, visto que há muita procura por parte de crianças e jovens que estão na escola. Mas desde Janeiro, o caos instalou-se. Os contactos não são os mesmos, as encomendas extravariam-se e têm muita dificuldade a entrar em contacto com as editoras. Esta livraria é pequena mas coseguiu-se ganhar uma relação de proximidade com as pessoas da terra. Mas se as editoras (ou a editora,já não sei) continuar a trabalhar assim, a livraria, ainda recém-nascida vai ser obrigada a fechar. Deixo o meu alerta para as consequências deste tipo de operações, que pode não dar prejuízo aos grandes livreiros mas a pequenos livreiros, quase de porta a porta, é uma situação que se está a tornar incomportável.

    Um abraço de um leitor da sua biblioteca,
    Carlos Gouveia

  3. tiago l. on Janeiro 15th, 2008 21:55

    que giro. este post fez-me lembrar o josé mário silva dos tempos do blogue de esquerda, anti-capitalista comme il faut…
    :)

  4. joao leal on Janeiro 16th, 2008 13:17

    Mas o fenómeno é mais alargado. A Barteslmann também mandou embora a maioria dos livreiros mais antigos da Bertrand…

    Enfim, sinais dos tempos. Agora ao cliente resta rezar que o empregado da livraria saiba pequisar bem no PC…

  5. Nuno Santos on Janeiro 18th, 2008 17:16

    Estimado Tiago L.,

    defendo uma sociedade capitalista sujeita às leis de mercado, não sou dos blogues de esquerda, e não acho giro o conteúdo do post. O seu comentário revela o pouco que você sabe!

    Bom blogue!

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges