No início do ano…

«No início do ano, uma donzela do Oriente diz ao seu amado esposo:
– Não caminhes em direcção ao Leste. Se o fizeres encontrarás a morte.
Mas o amado nada ouviu, pois, nesse momento, pensava numa outra mulher, numa mulher mais jovem, mais bela, mais inteligente.
Seguiu assim o homem em direcção a leste – e não morreu. Pelo contrário, foi recebido em casa pela tal amante mais jovem, mais bela, mais inteligente.
Na manhã seguinte, ao levantar-se, a amante disse-lhe:
– Não caminhes em direcção ao Oeste. Se o fizeres encontrarás a morte.
Mas o homem nada ouviu, pois, nesse momento, pensava na sua esposa legítima que o esperava.
Seguiu assim o homem em direcção a oeste – e não morreu. Pelo contrário, foi recebido em casa, com alegria e calor, pela sua esposa.
Na manhã seguinte, ao levantar-se, ouviu da sua amada esposa, uma donzela do Oriente:
– Não caminhes em direcção ao Leste. Se o fizeres encontrarás a morte.
Mas o amado nada ouviu, pois, nesse momento, pensava numa outra mulher, numa mulher mais jovem, mais bela, mais inteligente.
Seguiu assim o homem em direcção a leste e depois a oeste e depois a leste e assim sucessivamente, dias e dias, meses e meses, anos e anos – e não morreu.
A morte surgiu apenas quando o homem já velho e sem forças ficou incapaz de se mover – quer para leste quer para oeste.»
Gonçalo M. Tavares

[Texto publicado na revista Visão n.º 879]



Comentários

16 Responses to “No início do ano…”

  1. KLATUU O EMBUÇADO on Janeiro 8th, 2010 16:12

    Gostar de Gonçalo M. Tavares é uma moda. É um autor mediano, que resulta de um leitor com bom gosto, mas para se ser escritor não basta ser culto.

  2. Gerana Damulakis on Janeiro 8th, 2010 16:48

    Maravilha!

  3. Catarina on Janeiro 8th, 2010 16:53

    Gostei mesmo muito;)
    Aguardo a visita

  4. Jonas on Janeiro 8th, 2010 17:41

    Muito bom.
    Mas também gostei da imagem dos alicerces do Futuro expostos ao vento.

  5. venancio on Janeiro 8th, 2010 21:23

    Excelente.

    P.S.
    Klatuu o Embuçado,

    José Cardoso Pires esteve na moda, Nuno Bragança esteve na moda, Fernando Assis Pacheco esteve na moda. Chega-lhe? Para mim ainda não. Exijo MUITOS autores “medianos” como este.

    Já leu “Jerusalém” do pirata? Leia sem demora. É uma bela leitura de inverno.

  6. José Catarino on Janeiro 8th, 2010 22:20

    Gosto muito de Jerusalém. Isso não significa que goste de tudo o que é de G M Tavares. Deste conto, não gostei nada. E pensava que uma donzela era uma rapariga solteira.

  7. pedro on Janeiro 8th, 2010 22:30

    (E agora um bocadinho de veneno): o Klatuu deve ser sócio do Pitta.

    Se o G.M.T. fosse american, alemão ou francês provavelmente teria uma projecção e reconhecimento ainda maiores. Mas isto é só a condição de ser português: falam no Steiner, mas nós também temos o Eduardo Lourenço.

    É como diz o Miguel Esteves Cardoso: sofremos todos de Portugalite.

  8. KLATUU O EMBUÇADO on Janeiro 10th, 2010 3:31

    Para dizer a verdade, eu acho-o mesmo medíocre. Escrevi «mediano» só para que não pensassem que tinha algo contra a pessoa. Nota-se no que escreve que é culto, e até inteligente, mas a sua escrita nada acrescenta à literatura portuguesa, e a substância do que escreve, está nas entrelinhas dos outros que lê.
    Considero-o um autor inteligente, porque se sabe bem auto-promover, escolhendo títulos que remetem para celebridades, filósofos, outros escritores, etc, etc. Muito honestamente, considero os seus livros e crónicas apenas uma versão mais complexa da revista Maria… uma revista Maria para a classe média que temos. E o cavalheiro até é bem parecido…
    É evidente que para quem seja semi-culto pode parecer um grande escritor – mas quem tenha lido o que ele lê (desde Kafka, passando por Borges e acabando nos «modernitos» norte-americanos e norte-europeus), percebe que não passa de um leitor com algum bom gosto e com talento para o pastiche.

  9. KLATUU O EMBUÇADO on Janeiro 10th, 2010 3:32

    P. S. É muito apreciado por professoras do ensino secundário… Pode haver maior sintoma de mediocridade? :)

  10. José Mário Silva on Janeiro 10th, 2010 14:14

    Caro Klatuu,

    Não podia discordar mais.

  11. venancio on Janeiro 10th, 2010 14:49

    Klatuu,

    Você exprime-se nos mais surrados (e portanto inofensivos) termos, tipo “a sua escrita nada acrescenta à literatura portuguesa”, “é muito apreciado por professoras do ensino secundário…”

    Cuide da sua linguagem. Em poder de convicção, está encravado na estaca zero.

  12. José Catarino on Janeiro 10th, 2010 18:36

    Como disse Saramago numa entrevista, na literatura ninguém tira o lugar a ninguém. Quando penso que aquele livro que, por vezes, menosprezamos levou anos a produzir e que o seu autor pode até nada ganhar com o trabalho que teve, no tempo de vida que desperdiçou, fico muito incomodado com as críticas fáceis e destrutivas. Disse e repito: não gostei deste microconto. O facto de não gostar não me dá o direito de tentar achincalhar este ou qualquer outro autor.
    Por outro lado, leio uma boa meia dúzia de romances por mês. Se apenas se publicassem obras-primas (segundo critérios pessoais), há muito que nada teria para ler. E as obras de que menos gosto ensinam-me a tentar fazer diferente. A discussão em torno dos livros não pode descambar como num qualquer jogo de futebol. A matéria prima é outra, os intervenientes devem ter outra postura, outra elevação.

  13. xico on Janeiro 10th, 2010 22:04

    Sinceramente também não gostei deste conto. Gostei muito mais do de Filipa Martins. Como não conheço nenhum dos dois autores, julgo não estar a ser influenciado por qualquer moda ou simpatia.

  14. KLATUU O EMBUÇADO on Janeiro 11th, 2010 0:23

    Encravado? LOL

    OK, continuem vocês, animem isto, e uns aos outros…

    P. S. Intervalem com leituras do Peixoto… esse é apreciado por professoras, empregadas de supermercado e miúdas patetas que matam galinhas em rituais wicca… :)

    E não esqueçam a maior utilidade dos «blogues sérios e cultos»: demonstrar que em Portugal não há leitores, nem críticos.

  15. KLATUU O EMBUÇADO on Janeiro 12th, 2010 0:02

    Máscara e Chicote também vos faria bem… e babarem-se para os posters do Peixoto… :)

  16. henedina on Janeiro 13th, 2010 22:29

    O tema do conto “mulheres compassivas”. Comigo tinha morrido mais cedo.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges