O apocalipse ‘apocalítico’

As editoras que obedecem ao novo Acordo Ortográfico espalham a esmo, nos seus livros mais recentes, calinadas que até me magoam os olhos – provocando uma dorzinha que se espalha, em movimento ondulatório, através do nervo óptico (com p) até às mais remotas circunvoluções do meu cérebro. Os vocábulos do acordês são feios, feios, feios. Ainda há dias, ao ler o excelente A de Açor, de Helen Macdonald (Lua de Papel), fiquei uns bons segundos a olhar para uma palavra coxa, «apocalítica», até perceber que se tratava de um adjectivo associado à ideia de apocalipse. Escusado será dizer que o verdadeiro apocalipse em curso é o da língua portuguesa.



Comentários

4 Responses to “O apocalipse ‘apocalítico’”

  1. Octávio dos Santos on Janeiro 19th, 2016 15:39

    «O verdadeiro apocalipse em curso é o da língua portuguesa.»

    Totalmente de acordo: 😉

    https://www.publico.pt/portugal/noticia/apocalise-abruto-1688911

  2. José Mário Silva on Janeiro 19th, 2016 16:31

    Os exemplos que cita são inenarráveis. Se me dissesse que os inventou, eu diria que ninguém alguma vez se lembraria de os utilizar. Saber que foram encontrados em documentos de instituições oficiais causa-me calafrios. O “cAOs” instalado é muito assustador.

  3. csd on Janeiro 23rd, 2016 0:50

    que ainda por cima é uma consoante que não é eliminada pelo AO90 porque é pronunciada.

  4. José Mário Silva on Janeiro 28th, 2016 16:20

    Exactamente! Mas a lógica do AO90 leva a excessos de zelo que vão dando cada vez mais machadadas na nossa língua.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges