Os ‘alfaiates’ que pensam a edição à medida

Booktailors
Paulo Ferreira e Nuno Seabra Lopes

Booktailors. Ou, em bom português, “alfaiates dos livros”. Assim se chama a empresa de consultoria editorial que Nuno Seabra Lopes (32 anos) e Paulo Ferreira (28) formaram há poucos meses e que está a “crescer” muito mais depressa do que eles alguma vez se atreveram a sonhar.
A história começa em Setembro de 2006, quando Paulo entrou em contacto com Nuno através do blogue que este mantinha sobre temas editoriais (ainda activo). Na altura, Paulo estava a terminar uma pós-graduação em “livros e novos suportes digitais” na Universidade Católica, enquanto Nuno, que já tinha experiência profissional como consultor, avançava num mestrado em Estudos Editoriais.
Conversa puxa conversa, aos poucos começou a ganhar corpo, entre os dois, a ideia de trazer para o nosso país o que por cá ainda não havia; isto é, a figura do consultor editorial a sério, alguém que conhece bem o mercado do livro, os passos da cadeia de produção, as tendências comerciais, os últimos avanços teóricos, e que pode por isso orientar os editores nas suas apostas e decisões.
“O problema em Portugal é que o mercado sempre foi muito amador, sempre se trabalhou a partir de uma base empírica que não é suficiente para enfrentar os actuais desafios”, diz Nuno. Desafios como os da concentração editorial em curso, de que a LeYa (a holding de Miguel Pais do Amaral) é o exemplo mais recente. Com tudo a mudar tão depressa, quem não souber para onde vai arrisca muito.
Foi justamente para indicar caminhos ou propor soluções, à medida para cada caso, que Nuno e Paulo criaram a Booktailors (com mais um elemento nos bastidores, a tradutora Raquel Mouta, e a parceria da RPVP Designers). Da dupla que dá a cara pelo projecto, Nuno é o responsável pela análise do mercado e pela estratégia, enquanto Paulo (que acaba de abandonar o trabalho numa agência de publicidade) trata das questões de marketing e comunicação — o calcanhar de Aquiles de muitas editoras. “É incrível, por exemplo, como a blogosfera tem sido ignorada.”
Não por acaso, a Booktailors fez da internet uma arma. Com um blogue actualizadíssimo e muito citado, puderam prescindir da publicidade e até do mailing para os editores. Com o boca-a-boca a funcionar em pleno, não têm faltado os contactos de quem deseja um ou vários dos serviços que oferecem: da avaliação de produtos aos estudos sectoriais, passando pela criação de textos para badanas e contracapas.
Num momento em que está prestes a abrir o seu escritório, no Chiado (R. Nova do Almada), a Booktailors já reviu em alta o seu plano de negócios para 2008: garantidos estão três contratos (um deles a criação de uma nova chancela para o grupo Plátano) e “há mais seis ou sete na calha”.
Embora de natureza comercial, a Booktailors não vê apenas cifrões à frente. “Por enquanto ouvimos todas as propostas, mesmo as que não têm muita viabilidade, porque somos antes de tudo leitores compulsivos e isto para nós é muito mais do que um negócio”, resume Paulo Ferreira.

[Texto publicado na edição desta semana da revista Time Out Lisboa. Fotografia: Gonçalo F. Santos]



Comentários

One Response to “Os ‘alfaiates’ que pensam a edição à medida”

  1. Blogtailors - Paulo Ferreira on Janeiro 18th, 2008 15:06

    Bonito, o tipo da esquerda…

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges