Parábola

Toda a gente conhece a história de Chuang-Tzu.
Um dia, o mestre taoísta sonhou que era uma borboleta e, ao despertar, já não sabia se era um homem que sonhava ser uma borboleta ou uma borboleta que sonhava ser homem.
A história, porém, não termina aqui, onde toda a gente julga que ela acaba. Chuang-Tzu (ou terá sido a borboleta?) foi apanhado mais tarde na rede literária de Jorge Luis Borges e a borboleta (ou terá sido Chuang-Tzu?) foi apanhada na rede literal de Vladimir Nabokov.

[in Efeito Borboleta e outras histórias, Oficina do Livro, nas livrarias a partir de 23 de Junho]



Comentários

Comments are closed.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges