Prémio Casino da Póvoa para ‘Myra’, de Maria Velho da Costa

O Prémio Literário Casino da Póvoa, no valor de 20 mil euros, distingue este ano a escritora Maria Velho da Costa pelo romance Myra (Assírio & Alvim). A decisão do júri, composto por Patrícia Reis, Carlos Vaz Marques, Dulce Maria Cardoso, Fernando J.B. Martinho e Vergílio Alberto Vieira, foi anunciada durante a Sessão Oficial de Abertura das Correntes d’Escritas, no Casino da Póvoa de Varzim, esta manhã.
Os restantes nove finalistas eram: A Eternidade e o Desejo, de Inês Pedrosa (Dom Quixote); A Mão Esquerda de Deus, de Pedro Almeida Vieira (Dom Quixote); A Sala Magenta, de Mário de Carvalho (Caminho); o apocalipse dos trabalhadores, de valter hugo mãe (QuidNovi); O Cónego, de A. M. Pires Cabral (Cotovia); O Mundo, de Juan José Millás (Planeta); O verão selvagem dos teus olhos, de Ana Teresa Pereira (Relógio d’Água); Rakushisha, de Adriana Lisboa (Quetzal) e Três Lindas Cubanas, de Gonzalo Celorio (Quetzal).
Em 2009, ganhou Gastão Cruz, com A Moeda do Tempo (Assírio & Alvim).



Comentários

4 Responses to “Prémio Casino da Póvoa para ‘Myra’, de Maria Velho da Costa”

  1. csd on Fevereiro 24th, 2010 18:45

    Bravo!

    foi muito bem ganho.

    csd

  2. José Catarino on Fevereiro 24th, 2010 19:49

    Parabéns à vencedora, não apenas pelo prémio, mas sobretudo pelo excelente romance que é Myra. Pena é que para Maria Velho da Costa ganhar tenham de perder outros autores de excelentes romances como, por exemplo, Mário de Carvalho.

  3. c_maria on Fevereiro 25th, 2010 14:54

    … e como por exemplo, esse ícone da neo-moderna Literatura Portuguesa: Inês Pedrosa… tchi!

  4. A Seve on Fevereiro 26th, 2010 12:33

    JUSTO
    MYRA

    Belo livro.

    Seve

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges