Prémio Literário Fundação Inês de Castro para José Tolentino Mendonça

O Prémio Literário Fundação Inês de Castro, cujo objectivo é distinguir obras inspiradas em motivos «inesianos», distingue este ano José Tolentino Mendonça, pelo livro O Viajante Sem Sono (Assírio & Alvim), publicado no final de 2009. O poeta, tradutor e professor de Estudos Bíblicos na Faculdade de Teologia da Universidade Católica de Lisboa receberá um troféu de prata e pedra, concebido pelo escultor João Cutileiro, num cerimónia oficial marcada para o próximo sábado, dia 6 de Fevereiro, pelas 17h00, na Quinta das Lágrimas, em Coimbra, na presença da ministra da Cultura, Gabriela Canavilhas.
O júri do prémio – composto por Aníbal Pinto de Castro (presidente), José Carlos Seabra Pereira, Fernando Guimarães, Frederico Lourenço e Mário Cláudio – decidiu ainda atribuir um “Tributo de Consagração” à obra poética completa de Manuel Alegre (Dom Quixote). Esta é a terceira edição deste prémio anual. Nas duas primeiras, foram distinguidos Pedro Tamen, pelos poemas de Analogia e Dedos (Oceanos, 2006), e Teolinda Gersão, pelo volume de contos A Mulher que Prendeu a Chuva e Outras Histórias (Sextante, 2007).



Comentários

Comments are closed.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges