Primeiras impressões sobre ‘O Terceiro Reich’

Ainda só li um terço do romance de Bolaño, mas para já colocá-lo-ia numa nobre linhagem: a das obras literárias sobre o xadrez. Sim, o xadrez.



Comentários

4 Responses to “Primeiras impressões sobre ‘O Terceiro Reich’”

  1. Joao Tordo on Março 11th, 2010 12:41

    curiosamente, junta-se a esse um romance de Perez Reverte chamado “Tábua de Flandres”…

  2. José Mário Silva on Março 11th, 2010 13:44

    A lista é longa, João. E a ‘Tábua’ está entre os melhores. Acontece que ‘O Terceiro Reich’ é o primeiro romance sobre xadrez em que não aparece um único tabuleiro ou peça de xadrez. Lê o livro e perceberás (o wargame de tabuleiro é apenas um ersatz).

  3. luis a. on Março 13th, 2010 3:30

    Eu pessoalmente gostei do romance, embora ache que não está ao nível (demasiado elevado) da restante obra do autor. Aliás, ele próprio deveria concordar, senão não o teria deixado na gaveta (foi escrito em 1988, se não me engano…)

  4. Variantes, gambitos & etc. | Bibliotecário de Babel on Março 14th, 2010 11:29

    […] de uma tese, na página 214 de O Terceiro Reich, de Roberto Bolaño (Quetzal): «”O teu jogo é uma […]

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges