Quando um autor estrangeiro repudia o Acordo Ortográfico português

Creio que é uma situação inédita. Na ficha técnica do romance Macau, do escritor francês Antoine Volodine, editado por estes dias pela Sextante (do grupo Porto Editora, que aplica com raras excepções o Acordo Ortográfico), pode ler-se: «Por decisão do autor, o presente livro não segue o novo Acordo Ortográfico.»
É certo que Volodine tem uma relação forte com Macau e com alguns portugueses que conheceu por lá, mas não deixa de ser extraordinário que um autor de língua francesa seja mais aguerrido na defesa das nossas consoantes mudas do que muitos escritores portugueses, indiferentes ou cúmplices perante as amputações e alterações absurdas à grafia da língua.



Comentários

7 Responses to “Quando um autor estrangeiro repudia o Acordo Ortográfico português”

  1. A indiferença e a cumplicidade – Aventar on Junho 26th, 2012 12:01

    […] e a cumplicidade 26/06/2012 Por Francisco Miguel Valada Deixe um Comentário Como diz José Mário Silva, “não deixa de ser extraordinário que um autor de língua francesa seja mais aguerrido na […]

  2. Um caso exemplar | Total Blog on Junho 26th, 2012 17:21

    […] Soube disto pelo José Mário Silva, que justamente sublinha: “Não deixa de ser extraordinário que um autor de língua francesa seja mais aguerrido na def… […]

  3. jose da cunha on Junho 27th, 2012 10:02

    estou a ver que vou ter que me pronunciar sobre as mais recentes alterações à norma ortográfica francesa…

  4. autor estrangeiro repudia o Acordo Ortográfico português | AICL – Associação Internacional dos Colóquios da Lusofonia on Junho 27th, 2012 10:11

    […] Quando um autor estrangeiro repudia o Acordo Ortográfico português […]

  5. Miguel Rodrigues on Julho 4th, 2012 16:59

    Tenho uma carta escrita há meses para o Luís Sepúlveda mas não consigo de maneira nenhuma arranjar o contacto dele (morada nas Astúrias, email…). Nessa carta, explico sucintamente o que é para nós o AO90, que o último livro dele também vem assassinado por este acordo na sua publicação em Portugal e que gostaria de o informar, caso ele ainda não saiba, dessa circunstância.

    Alguém poderá ter acesso aos contactos deste autor?

    Creio que este poderia ser, eventualmente, outro autor estrangeiro a manifestar-se contra a publicação dos seus livros (este e as próximas edições dos antigos) neste aberração de português.

    Agradeço qualquer informação.

  6. José Mário Silva on Julho 4th, 2012 21:26

    Miguel,

    Não tenho o endereço de Luis Sepúlveda (nem a morada, nem o e-mail), mas acredito que, se enviar a sua carta para a Porto Editora, ela será encaminhada para o escritor chileno.
    Cumprimentos,
    JMS

  7. Miguel Rodrigues on Julho 5th, 2012 0:33

    Caro José Mário

    Já tinha pensado em pedir essa info às editoras, só não me pareceu que a pudessem fornecer a qualquer pessoa. Vou tentar essa via.

    Obrigado!

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges