Silêncios, elipses, epifanias

pequenosmisterios.bmp

Pequenos Mistérios
Autor: Bruce Holland Rogers
Título original: The Keyhole Opera
Tradução: Luís Rodrigues
Editora: Livros de Areia
N.º de páginas: 234
ISBN: 978-989-81180-2-8
Ano de publicação: 2007

Querem saber qual foi para mim a maior revelação de 2007, no que à literatura estrangeira publicada em Portugal diz respeito? Então anotem: Bruce Holland Rogers. Não é ainda um nome de primeira linha nos EUA, longe disso, mas tem tudo para vir a ser, sobretudo se se libertar da conotação com o género fantástico, que como se sabe é um empecilho para quem pretenda triunfar fora daquela espécie de “gueto” literário.
Aos 49 anos, este nativo de Tucson, Arizona, já ganhou dois prémios Nebula, um Bram Stoker e dois World Fantasy Awards. Mas reduzi-lo a um só género seria tão injusto como dizer que Eusébio só sabia marcar golos de penalty.
Basta ler este precioso volume de contos, editado com o habitual esmero gráfico da Livros de Areia, para perceber que Rogers não é catalogável. Embora tenha sido com esta obra que obteve o World Fantasy Award em 2006, não esperem narrativas com naves espaciais, universos paralelos ou relatos de História alternativa. Há vários momentos de terror e mistério, sim, passam-se por vezes coisas estranhas, obscuras e inexplicáveis, sim, mas também há muitos contos sobre a vida de todos os dias, com personagens normalíssimas em situações normalíssimas, pessoas que vão às compras, dão aulas e podiam estar num livro de Raymond Carver. Ou seja, a escrita de Rogers é sempre fantástica, se fantástica for mais um adjectivo do que um substantivo.
O único denominador comum dos 40 contos aqui reunidos é a concisão. Bruce Holland Rogers é um mestre do que se convencionou chamar short short stories (histórias mesmo muito curtas) e oferece-nos em Pequenos Mistérios um vasto catálogo de textos em que a dimensão mínima é inversamente proporcional ao efeito que a prosa — muito trabalhada, com requintes de ourives — provoca no leitor desprevenido.
Rogers tem um fraquinho por fábulas e alegorias, por vezes com inspiração mitológica. Não faltam homens que se tornam golfinhos ou corações que se convertem em melros de asa vermelha. E variações sobre o medo, a morte, a esperança, o mundo dos sonhos, sempre com um desenlace irónico que coloca as histórias a salvo de moralismos fáceis. Há ainda divertidíssimos exercícios sobre a própria escrita literária, momentos em que Rogers espicaça o leitor ou lhe tira o tapete, mostrando os bastidores do jogo ficcional e a forma como o autor todo-poderoso, lá atrás, na sombra, vai mexendo os cordelinhos, as alavancas e as roldanas.
As melhores narrativas, porém, são as mais simples de todas, aquelas que não carecem de quaisquer artifícios e parecem existir desde sempre, à espera de quem fosse capaz de as contar. Histórias cheias de silêncios, elipses, gestos precisos e suaves epifanias. Histórias inesquecíveis, como Os poetas menores de San Miguel County, Para leste, Brancos mortos ou O plano maior que ofusca o céu e a terra.

Avaliação: 9/10

[Texto publicado na revista Time Out Lisboa]

Escreva a sua opinião e dê uma nota a este livro nos comentários ao post



Comentários

6 Responses to “Silêncios, elipses, epifanias”

  1. pbp on Fevereiro 12th, 2008 9:13

    Bem gostava de o ler, pois já tentei comprá-lo em vários sítios (fnacs, bertrands, barata e chiado abaixo) mas nada… mas como a esperança é a última é morrer…

  2. José Mário Silva on Fevereiro 12th, 2008 10:03

    pbp,
    Um conselho: tenta encomendar directamente à editora, no site http://www.livrosdeareia.com . Por essa via consegues arranjar o livro de certeza.

  3. Pedro Marques on Fevereiro 12th, 2008 11:17

    Caro/a PBP, das livrarias que referiu, só não estamos na Bertrand (aguardamos resultados das negociações para a distribuição lá). De resto, pode encontrar os nossos livros nesses pontos de venda, e se procurar ainda (falo do centro de Lisboa) em livrarias como a Almedina Saldanha, a Círculo das Letras, as Bulhosas (em cuja loja de Campo de Ourique esse livro chegou a estar em cima do balcão), só por distracção não será encontrado.
    Mas obrigado por procurá-lo, e, como o José Mário Silva escreve, pode sempre bater-nos à porta.

    Pedro Marques
    http://www.livrosdeareia.com

  4. Luís Rodrigues on Fevereiro 12th, 2008 23:52

    O livro encontra-se facilmente nas Fnacs, contando que se procure no esconso para onde são remetidas (algumas) ficções científicas e fantásticas. Pelo menos foi lá que o vi pela última vez.

    (E enquanto lá estiver, o tradutor agradece uma espreitadela ao _Grendel_ de John Gardner, ignorando convenientemente a capa e o subtítulo, que nada contribuem para o livro. WINK, WINK, NUDGE, NUDGE.)

  5. Bibliotecário de Babel – Pássaros & Borboletas on Julho 6th, 2008 15:18

    […] quem a produz e quem a lê”. Lado a lado, estarão um gigante (Bruce Holland Rogers, autor de Pequenos Mistérios) e um pigmeu (este vosso humilde escriba). Nesse mesmo dia 16, tem início o Curso de Escrita […]

  6. Bibliotecário de Babel – Efeito Borboleta (o conto), translated on Julho 15th, 2008 2:16

    […] mim e o Bruce Holland Rogers, era a leitura mútua de histórias. Eu leria um conto do seu livro Pequenos Mistérios (inclinava-me para este, mas O Rei Duende talvez tivesse mais efeito na assistência), enquanto o […]

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges