Tudo e nada

Há semanas em que acontece tudo: fechos sucessivos e sobrepostos (Expresso + Ler + Expresso + continuação da Ler), longas sessões de tortura no dentista (ainda por cima para me colocarem uma coroa; a mim, o mais republicano dos republicanos), leituras a contra-relógio, encontros impossíveis de desmarcar, trabalhos de Natal para a escola dos miúdos, os próprios miúdos (coitados, ávidos de atenção), dezenas de outras coisas a que vos poupo, tudo culminando em dois clássicos do pânico civilizacional: ontem a água desapareceu das torneiras à hora do almoço e só voltou muito depois da hora do jantar; hoje foi ao quadro eléctrico que deu o badagaio, vítima dos muitos aquecedores acesos pela casa fora e a luz ainda não voltou (escrevo a uns quilómetros de distância, à espera de resolver o assunto por telefone).
Resumindo, há semanas em que acontece mesmo tudo. E por isso neste blogue não acontece nada (nada que se veja, porque os posts começados e incompletos continuam à espera, em draft). Lamento muito, I’m really sorry, désolé.



Comentários

8 Responses to “Tudo e nada”

  1. Pedro Lérias on Dezembro 16th, 2008 21:27

    Nós esperamos. Vale a pena.

    Ao menos as descargas histamínicas não lhe têm dado problemas.

    Força nisso.

  2. Nocturna on Dezembro 16th, 2008 22:00

    Não estou a ser irónica, mas se pensarmos naquele que é o «nosso» putativo rei, acho que COROA te ficava melhor a ti.
    Quanto ao resto há semanas assim , parece que tudo quanto é estranho nos está reservado.
    Calma, respira fundo, essa sucessão de acontecimentos vai passar e nós estamos à tua espera e não somos pessoas para desistir de ti

  3. João on Dezembro 17th, 2008 0:53

    Se lavasses os dentes, poupava-se muita coisa :)

  4. Luís Graça on Dezembro 17th, 2008 3:29

    Não estás perdoado porque não há nada para perdoar, por isso as “atenuantes” invocadas são apenas notícias que não gostámos de ler.
    Melhores dias virão, com água, luz, tempo.

    É preciso manter a sanidade mental. Um blogue (por mais valioso que seja, por mais serviço prestado aos seus leitores) é um blogue. Não o podemos deixar humanizar (como o Hal do “2001” do Kubrick), ao ponto de sentirmos complexos de culpa por faltarem “actualizações”.

    Ao fim e ao cabo, estás a trabalhar de forma benévola, não remunerada. Porque há muito trabalho num blogue com estas características.

    Que nada te seja exigido.

    Já é uma violência muito grande essa terrível obrigação de ler “à pressão”, por exigência profissional.

    Sinto-me privilegiado como “cronista literário”. Traço os meus trajectos no que toca a lançamentos de livros, ando por onde me apetece. E depois acabo por escolher o que de mais relevante encontrei, sem essa pressão de ter de ler as últimas novidades, de mergulhar de cabeça em chatérrimos “tijolos”.

    Ou seja, ando no meio dos livros ( e por cima, por baixo, dos lados…) sem a pressão de ter de os ler em determinado tempo. Porque até a “obrigação” de ler numa Comunidade de Leitores já pesa.

  5. francisca esquivel on Dezembro 17th, 2008 10:00

    Sim. Não acontece nada mesmo. A não ser isso da luz, da água, chaves perdidas….bem às vezes a vida é feita disto, realmente por não acontecer mais nada de interessante. Já nem o Natal nos safa. Bem queriamos que fosse do tipo:” bom, pelo menos vem aí o Natal…blá blá blá” Damos por nós a pensar, quando muito:” ainda por cima vem aí o Natal….” tudo uma chatice!

  6. venancio on Dezembro 17th, 2008 18:30

    ZM,

    Um dia vais ter saudades DISTO TUDO. Parece-te inconcebível? Pois É inconcebível.

    Única chatice: vais-te esquecer deste meu comentário, vais-te esquecer desta situação toda, saberás vagamente ainda deste blogue e já nem vais ter meios de lê-lo sequer. E até as saudades que tiveres – e vais ter – serão vagas, vaguíssimas.

    Isto já adoçou alguma coisa, a falta de luz por exemplo?

  7. Maria das Mercês on Dezembro 18th, 2008 11:46

    Eu já estava a ficar preocupada com a ausência do blogger… Faz sempre falta!

  8. fallorca on Dezembro 18th, 2008 15:06

    Deixem o rapaz andar por “algures”, que bom bloger ao blog volta 😉

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges