A nova livraria Babel

Passei por lá ontem ao fim da tarde, durante a inauguração (infelizmente sem máquina fotográfica). O burburinho da abertura solene, com os discursos da praxe e a enchente da praxe, não é o contexto ideal para formar uma opinião, mas o primeiro contacto, devo dizê-lo, ficou bastante aquém das expectativas.
A área total é menor do que eu imaginava. O espaço dedicado aos livros, menor ainda.
Numa primeira vista de olhos, chocaram-me duas coisas: as estantes muito feias (uma espécie de andaimes, com ferro bruto e tábuas de madeira que parecem ter sobrado das obras de remodelação) e o facto de só encontrar livros das editoras do grupo Babel (um mau prenúncio). Há ainda um espaço tecnológico para acesso às novas apostas digitais – incluindo um leitor de e-books da Samsung, marca com quem a Babel assinou uma parceria –, mas que não pude explorar devidamente, devido ao excesso de gravatas curiosas na sala.
Por fim, o terceiro módulo da livraria é um café-restaurante gourmet, que ontem servia aperitivos preparados pela equipa do chef Vítor Sobral, um lugar simpático, de decoração clean e vista para o Centro de Arte Moderna da Gulbenkian, mas algo desproporcionado em relação ao espaço efectivamente previsto para os livros.
Terei que lá voltar, claro. Mas o meu instinto diz-me que é mais provável que este projecto pseudo-modernaço acabe por ser um flop do que uma livraria de culto.



Comentários

3 Responses to “A nova livraria Babel”

  1. contas simples on Abril 24th, 2010 15:06

    Caro JMS, o que é que queria da junção das “mentes” de um ex-banqueiro e um ex-editor e criador de uma livraria techno em plena Famalicão? Estou a imaginar o Américo Areal a ler o seu post e a dizer “hmmm, onde é que eu já vi isto?”

  2. Livraria Babel em Lisboa « Biblioteca Imaginária on Abril 26th, 2010 15:26

    […] O José Mário Siva passou pela nova livraria da Babel em Lisboa e deixa aqui a sua opinião. Publicado […]

  3. Eu não gostei e ele pelos vistos também não | Bibliotecário de Babel on Maio 10th, 2010 15:37

    […] à abertura da nova livraria do grupo Babel. O ele do título do post é o Pedro Vieira, que escreveu (mesmo se com certo delay) um texto sobre […]

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges