Já há programa para as Correntes d’Escritas 2014

Ei-lo:

Mesa 1
Quinta-feira, dia 20, 17h30
Tema: Pensamentos não são correntes de ninguém
Participantes: António Gamoneda, Eduardo Lourenço, Gonçalo M. Tavares, Lídia Jorge, Ungulani Ba Ka Khosa
Moderador: José Carlos de Vasconcelos

Mesa 2
Sexta-feira, dia 21, 10h00
Tema: palavras + correntes = x
Participantes: Afonso Cruz, Helder Macedo, Ivo Machado, Miguel Real, Patrícia Portela, Valério Romão
Moderador: João Gobern

Mesa 3
Sexta-feira, dia 21, 15h00
Tema: A ficção nos livros é corrente de verdade
Participantes: Ana Margarida de Carvalho, António Mota, Boaventura Cardoso, João Ricardo Pedro, José Ovejero, Michel Laub
Moderador: Francisco José Viegas

Mesa 4
Sexta-feira, 21, 17h30
Tema: De correntes e cont(r)a-correntes se faz a poesia
Participantes: Ana Luísa Amaral, Golgona Anghel, João Moita, Margarida Ferra, Valter Hugo Mãe
Moderadora: Isabel Pires de Lima

Mesa 5
Sexta-feira, 21, 22h00
Tema: Cada livro é a antologia corrente da existência
Participantes: Carlos Quiroga, Joana Bértholo, Manuel da Silva Ramos, Manuel Jorge Marmelo, Miguel Sousa Tavares, Ondjaki, Rui Zink
Moderador: Michael Kegler

Mesa 6
Sábado, 22, 10h00
Tema: Coração de correntes desabitado: a poesia
Participantes: Helga Moreira, Inês Fonseca Santos, Manuel Rui, Pedro Teixeira Neves, Uberto Stabile, Vergílio Alberto Vieira
Moderador: José Mário Silva

Mesa 7
Sábado, 22, 15h30
Tema: Não são minhas as correntes que escrevo é outro que as escreve em mim
Participantes: Andrés Neuman, Inês Pedrosa, José Rentes de Carvalho, Manuel Rivas, Onésimo Teotónio Almeida
Moderadora: Ana Sousa Dias

Todas as sessões decorrerão no Hotel Vermar, na Póvoa de Varzim.



Comentários

One Response to “Já há programa para as Correntes d’Escritas 2014”

  1. Libertino Esplendor on Janeiro 30th, 2014 13:13

    Mais do mesmo, mesmo do mais. Quiz: houve algum Correntes d’Escritas em que o insigne vate Ivo Machado não tivesse estado presente? Se souber a reposta, o prémio é um belo chupa-chupa artesanal da Póvoa.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges