Sobre o autor

jms11.jpg

José Mário Silva nasceu a 2 de Março de 1972, em Paris (França). Poucas semanas após o 25 de Abril de 1974, num Citröen 2 CV cheio até ao tejadilho de lona, chegou a Portugal com os progenitores, ainda eufóricos com os eflúvios da liberdade e o cheiro a cravos vermelhos. Os dois primeiros anos deixaram-lhe, porém, nos ouvidos e nas circunvoluções do cérebro, como que incrustados, o gosto pela música da língua francesa e pelas coisas que essa língua diz, organiza, constrói. Não foi outra a origem da sua francofonia e francofilia.
Da infância, feliz, basta dizer que foi isso mesmo: feliz.
Na vida adulta, fez várias coisas que constam do curriculum vitae. Curso de Biologia na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Jornalismo, a partir de Fevereiro de 1993, primeiro na extinta revista Pais, depois no Diário de Notícias (onde começara a escrever regularmente, a partir dos 16 anos, no suplemento DN Jovem), depois em programas televisivos da RTP2 (Portugalmente e Juízo Final, 1998/99), depois novamente no DN, onde foi editor adjunto do suplemento DNA (entre Janeiro de 2000 e Dezembro de 2005) e editor adjunto da secção de Artes do jornal (entre Janeiro de 2006 e Outubro de 2007). Na revista Time Out Lisboa, desempenhou a função de editor convidado da secção Livros (entre Outubro de 2007 e Janeiro de 2008). A partir de Junho de 2008, passou a ser coordenador da secção de Livros do suplemento Actual (semanário Expresso), onde já publicava recensões literárias desde Fevereiro de 2008. É ainda colaborador permanente da revista Ler.
Publicou, até agora, três livros: Nuvens & Labirintos (poesia, Gótica, 2001), ao qual foi atribuído o Prémio Literário Cidade de Almada; Efeito Borboleta e outras histórias (narrativas breves, Oficina do Livro, 2008; edição brasileira da ARdoTEmpo, Porto Alegre, 2010); e Luz Indecisa (poesia, Oceanos, 2009).
Do francês, traduziu dois livros de Jean-Baptiste Botul para a Cavalo de Ferro: A vida sexual de Immanuel Kant e Landru, precursor do feminismo. Traduziu ainda Esta é a Cor dos Meus Sonhos, um volume de conversas entre Georges Raillard e Joan Miró (90º), e O Meu Irmão (90º), relato de Judith Perrignon sobre o declínio físico e mental de Théo Van Gogh, após a morte do irmão Vincent. No final de 2010, viu publicada a tradução de um livro de contos da autora norte-americana Lydia Davis (Demolição – Break it Down) no catálogo da Ulisseia.
Começou o seu primeiro blogue a 1 de Janeiro de 2003, em resposta ao que os seus amigos Pedro Mexia e Pedro Lomba escreviam na Coluna Infame. Mais tarde, o BdE mudou de plataforma e existiu aqui. Chegou a alimentar um blogue minimalista mas um dia esqueceu-se da password e nunca mais conseguiu lá entrar. Antes de criar o Bibliotecário de Babel, manteve durante mais de três anos o blogue A Invenção de Morel, que era generalista mas sempre atento às temáticas culturais.
José Mário Silva já viveu junto à Praça do Chile e em Campo de Ourique, antes de se mudar para a Penha de França. É pai de duas crianças: a Alice e o Pedro («um casalinho, tão lindo», como dizem as velhas do bairro). A sua lista de interesses é quase infinita mas inclui, muito cá para cima: os livros em desordem; as nuvens («les merveilleux nuages», como dizia Baudelaire); o xadrez e o futebol; a arquitectura das catedrais; certos ângulos de certas fotografias; o voo imóvel do falcão peneireiro (Falco tinnunculus); estradas ladeadas por ciprestes; o cinema clássico e Godard; as sombras muito esticadas ao fim do dia; os últimos quartetos de Beethoven (e a outra música: Bach, Schubert, Monteverdi, Bruckner); jardins geométricos; a arte de viajar sem mapas; os poemas que se fazem dentro da cabeça como origami; folhas amarelas de Gingko biloba; estaleiros com navios apodrecidos e ferrugem; romances de W. G. Sebald; o mar a desfazer-se em espuma longe da costa; noitadas com amigos, queijo, vinho e Os Descobridores de Catan; deambulações por cidades estrangeiras à procura daquela livraria onde talvez encontre, numa estante meio escondida, o seu Aleph.
Em Fevereiro de 2011, durante a 12.ª edição das Correntes d’Escritas (Póvoa de Varzim), foi-lhe atribuído o Prémio Especial do Júri na categoria Jornalista/Crítico Literário dos Prémios de Edição LER/Booktailors.

 

 jms21.jpg

Fotografias: Margarida Ferra 

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges