Charles Bukowski segundo o FBI

Eis 113 páginas com informações sobre o tantas vezes paranóico Bukowski (pelo vistos, com alguma razão para isso), recolhidas quando o Federal Bureau of Intelligence andava à procura do Unabomber e incluiu o autor de Ham on Rye na lista de potenciais suspeitos.

Primeiros parágrafos

«Estava sentado no meu escritório, o contrato de arrendamento tinha chegado ao fim e o McKelvey tinha dado início ao processo de despejo. Estava um dia de calor infernal e o ar condicionado estava avariado. Uma mosca arrastava-se pelo tampo da secretária. Estiquei a palma da mão aberta e mandei-a para o galheiro. Limpava a mão à perna direita das calças quando o telefone tocou.
Antendi.
– Eh, estou. – disse eu.
– Costuma ler Céline? – perguntou uma voz feminina.
A voz possuía uma sonoridade sensualíssima. Eu já estava sozinho há algum tempo. Décadas.
– Céline – disse eu –, hummmmm…
– Eu quero o Céline – disse ela. – Tenho de o apanhar.
Aquela voz tão sensual começava realmente a mexer comigo.
– Céline? – disse eu. – Dê-me alguns dados, cara senhora. Vá falando…
– Feche a braguilha – disse ela.
Eu olhei para baixo.
– Como é que percebeu? – perguntei eu.
– Esqueça lá isso. Quero o Céline.
– O Céline está morto.
– Não está nada morto. Gostaria que o encontrasse. Eu quero-o.
– Talvez possa encontrar as ossadas dele.
– Não, seu palerma, ele está vivo!
– Onde?
– Em Hollywood. Ouvi dizer que tem frequentado a livraria do Red Koldowsky.
– Mas então porque é que não vai lá a senhora à procura dele?
– Porque primeiro gostaria de saber se ele será o verdadeiro Céline. Preciso de ter a certeza, uma certeza consistente.
– Mas porque é que recorreu a mim? Há centenas de detectives por essa cidade fora.
– Foi o John Barton quem mo recomendou.
– Ah, o Barton, exacto. Ouça, vou precisar de uma espécie de adiantamento. E teremos de nos encontrar pessoalmente.
– Estarei aí dentro de minutos – disse ela.
E desligou. Eu subi o fecho.
E fiquei à espera.»

[in Pulp, de Charles Bukowski, tradução de Vasco Gato, Alfaguara, 2012]

Ute Lemper meets Charles Bukowski

A actriz e cantora Ute Lemper vai interpretar, num cabaré chamado Joe’s Pub, vários poemas de Charles Bukowski, retirados dos livros The Last Night of the Earth Poems, What Matters Most Is How Well You Walk through the Fire e You Get so Alone At Times That It Just Makes Sense. Com concepção e música original de Lemper, o espectáculo intitula-se The Bukowski Project.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges