História de um rebelde

Na edição desta semana da New Yorker, Daniel Mendelsohn, autor de Os Desaparecidos, escreve sobre a «breve carreira» de Rimbaud e assume que o facto de ter descoberto tardiamente o poeta (quase sempre avassalador para quem o começa a ler na adolescência) o impediu de ser arrebatado («swept away») pelos versos das Illuminations. O magnífico texto é acompanhado por uma não menos magnífica ilustração de André Carrilho:

Rimbaud de bigodinho

Uma fotografia inédita de Jean-Arthur Rimbaud, a única com qualidade suficiente para se perceber como eram os seus traços fisionómicos na idade adulta, foi descoberta por dois livreiros numa feira de rua e apresentada ontem à noite no Salon du Livre Ancien, em Paris. A foto foi tirada em Aden, por volta de 1880, e mostra Rimbaud sentado numa das varandas do Hotel de l’Univers, no meio de um grupo de seis homens e uma mulher:

Aden

Jean-Arthur, que teria cerca de 30 anos, é o segundo a contar da direita. Curiosamente, não se parece muito com o rosto icónico da juventude:

Ele dá ares mesmo é ao Fernando Pessoa (mas sem óculos):

PS – Ao contrário do que comecei por sugerir, o Fernando Pessoa da foto acima não era «trintão». Vários leitores alertaram-me para a verdadeira idade do poeta quando a imagem foi captada: 21 anos. Fica esclarecido o equívoco.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges