Uma dedicatória entre surrealistas

Aparece transcrita no «livro-homenagem-recordação» De Mário Cesariny para Artur Manuel do Cruzeiro Seixas (edição de Perfecto E. Cuadrado, Assírio & Alvim, 2009) e estava na folha de rosto de um volume enviado justamente por Mario Cesariny a Artur Manuel do Cruzeiro Seixas, em Julho de 1956:

Para o Artur Manuel
Para o Artur Manuel do Cruzeiro Seixas
o que anda a sorrir aos leões
a Ave Acrobática
do Último Continente Surrealista
Com um abraço
um abraço
Um abraço

do seu

Mário Cesariny de Vasconcelos
Julho de 56

Gosto sobretudo daquele duplo adjectivo, «Ave Acrobática», imponente nas suas maiúsculas.

Homenagem a Cesariny na casa de Eugénio

No próximo sábado, dia 25, pelas 18h30, a Fundação Eugénio de Andrade (FEA) lembra Mário Cesariny. Segundo os responsáveis da FEA, «será evocada a sua relação com Eugénio de Andrade, serão lidos alguns dos seus poemas, e será pronunciada a palestra “A alquimia do verbo na poesia de Cesariny” pela lusófila italiana Dr.ª Maria Bochicchio, a quem o grande poeta concedeu a sua última entrevista».

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges