Com quatro letrinhas apenas

Segundo os BlogTailors, o recentemente ampliado grupo editorial de Miguel Pais do Amaral (agora com a Dom Quixote a bordo) já tem nome: Leya.

Proeza

Com a compra da Dom Quixote, Miguel Pais do Amaral conseguiu um feito inédito: juntar debaixo do mesmo telhado José Saramago e António Lobo Antunes, dois rivais que à partida se excluem mutuamente. Não deve ser aliás por acaso que o autor de A Ordem Natural das Coisas diz o que diz. As ameaças servem apenas para marcar posição, sublinhar o seu estatuto e exigir tratamento VIP. Mas o fulcro dos receios de Lobo Antunes está nesta frase: “Quero garantias muito claras de que as pessoas que têm trabalhado comigo o continuem a fazer.” Onde se lê “pessoas que têm trabalhado comigo” leia-se Tereza Coelho. Por outro lado, se o romancista defende com unhas e dentes os “seus”, o que só lhe fica bem, lá por baixo esconde-se, parece-me, o receio de ter de partilhar o palco com outros autores de primeira grandeza, nomeadamente aquele que já teve o desplante de lhe roubar o Nobel.

A notícia mais esperada

Finalmente, ficou tudo preto no branco. A compra da Dom Quixote por Miguel Pais do Amaral, sem sombra de dúvida o negócio do ano, deixou de ser mera especulação.
Embora ainda se desconheça por que verbas foi selado o acordo, vale a pena ler alguns excertos do comunicado de imprensa:

O Grupo Editorial de Miguel Pais do Amaral fechou hoje, ao final da manhã, a aquisição da editora Dom Quixote ao grupo editorial espanhol Planeta, a quem a empresa tinha sido alienada em 1999. Esta aquisição vem completar o portfólio de empresas editoriais adquiridas por Miguel Pais do Amaral em 2007, processo que teve inicio em Março deste ano com a aquisição da Texto Editores e que evoluiu durante o ano com as aquisições da Caminho, ASA e Gailivro.
(…) A Dom Quixote assume-se como a «A Casa dos Autores Portugueses». Para além de ter no seu portfólio alguns dos mais importantes autores nacionais, ao longo dos seus quarenta anos de vida a Dom Quixote publicou cerca de 5000 títulos originais, tendo colocado em casa dos leitores portugueses mais de 20 milhões de livros.
Para Miguel Pais do Amaral, a compra da Dom Quixote «finaliza o primeiro ciclo de aquisições com vista à criação de um grupo editorial líder de mercado em Portugal e nos países africanos de expressão portuguesa. Seguir-se-á uma fase de reorganização interna e de crescimento orgânico, que a médio prazo permitirá criar um grupo suficientemente forte para iniciar um segundo ciclo de aquisições fora de Portugal, nomeadamente no mercado brasileiro»(…) [O negrito é meu]

Ontem, o grupo de Pais do Amaral formalizou igualmente a compra da editora Nova Gaia, acordada desde 18 de Setembro mas que aguardou um parecer positivo da Autoridade da Concorrência. Esta aquisição permitirá ao grupo alcançar a vice-liderança no segmento das edições escolares, com uma quota de mercado próxima dos 30% (ainda assim distante da hegemónica Porto Editora).

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges