Última hora: resultados do primeiro concurso de Slam Poetry realizado em Portugal

Esta noite, no Musicbox (Lisboa), decorreu o primeiríssimo torneio de Poetry Slam de Portugal (e também da Península Ibérica, se acreditarmos no caótico, brilhante e a partir de certa altura consideravelmente alcoolizado Mestre de Cerimónias, J. P. Simões). Os oito participantes, escolhidos entre 68 candidaturas, mostraram-se à altura do histórico momento. E os dois finalistas que se digladiaram com palavras e ritmo, já bem madrugada adentro, foram:

Brisa Ramos, a quem o júri atribuiu o 2.º lugar, com direito a um leitor de mp3 carregado de audiolivros, uma biblioteca portátil oferecida pela editora 101 Noites e um kit do Goethe Institut

Biru, o grande vencedor da noite, que, além do 1.º prémio (500 euros, em nota única entregue por J. P. Simões, enrolada dentro de um maço de cigarros), teve a surpresa de um prémio suplementar: uma viagem a Varsóvia, durante três dias, com tudo pago, para participar num concurso internacional de Slam Poetry

Reportagem completa, amanhã (isto é, hoje, sábado, quando tiver recuperado da noitada).

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges