Quando a auto-publicação compensa

John Locke foi o primeiro a atingir a fasquia do milhão de livros vendidos para o Kindle em edição de autor. Ele era sempre apresentado como o exemplo maior do sucesso conseguido fora dos circuitos habituais de produção e distribuição livreira. Sem grande surpresa, o «sistema» contra-atacou: Locke acaba de assinar contrato com a Simon & Schuster, nem mais nem menos do que uma das maiores editoras tradicionais do mundo. Seria irónico, sim, se não fosse tão previsível.



Comentários

Comments are closed.

«Tenho a suspeita de que a espécie humana - a única - está prestes a extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta» Jorge Luis Borges